Tatiana Weston Webb agora é 100% Brasil

Tatiana Weston-Webb (BRA) (@ WSL / Kelly Cestari)

Tatiana Weston-Webb (BRA) (@ WSL / Kelly Cestari)

Foto Dilvulgação

Foto Dilvulgação

 Tatiana Weston-Webb (BRA) (@ WSL / Kelly Cestari)

Tatiana Weston-Webb (BRA) (@ WSL / Kelly Cestari)

 

 

 

 

A surfista nascida no Rio Grande do Sul sempre defendeu o Havaí no Circuito Mundial, mas confirmou que vai passar a representar o Brasil visando os Jogos Olimpicos de Tokyo 2020.

A surfista Tatiana Weston-Webb, 21 anos, anunciou hoje a sua decisão de passar a representar o Brasil nas competições do Circuito Mundial a partir da etapa brasileira do World Surf League Championship Tour, nos dias 11 a 20 de maio em Saquarema, Rio de Janeiro. Ela nasceu no Rio Grande do Sul, mas desde criança mora no Havaí, onde aprendeu a surfar e sempre competiu como havaiana na sua carreira amadora e profissional.

“Hoje, tenho o prazer de anunciar que, a partir de agora, estarei representando o Brasil tanto no WSL Championship Tour, bem como nas seletivas para os Jogos Olímpicos de 2020 em Tóquio. Esta é uma decisão importante para mim e estou muito animada”, disse Tatiana Weston-Webb, que continua falando sobre a decisão de trocar a bandeira do Havaí pela do Brasil no Circuito Mundial e em todas as competições que participar a partir de agora.

“A maioria das pessoas não sabe que o meu pai é da Inglaterra e minha mãe é do Brasil. O Brasil foi onde eu nasci, mas me sinto verdadeiramente abençoada por ter sido criada na bela Kauai no Havaí. Tanto a comunidade como as ondas, tiveram um papel importante na formação de quem eu sou como surfista e como pessoa. Eu sou muito grata por isso, mas como a maioria sabe, a bandeira havaiana não será representada nas Olimpíadas”.

“O Brasil sempre fez parte da minha vida e, recentemente, fui consultada pelo Comitê Olímpico Brasileiro com a oportunidade de representar o país de uma maneira definitiva. Sempre foi um sonho meu competir nas Olimpíadas e quando o surfe foi anunciado oficialmente como um esporte olímpico, eu sabia que meu sonho tinha uma chance de se tornar realidade”.

“O Brasil ocupa grande parte do meu coração. Eu tenho família, amigos e um apoio muito grande de todos lá. É um lugar onde sempre me senti em casa e estou muita orgulhosa em poder representar um país tão incrível, com tanta paixão e dedicação pelo nosso esporte. Embora essa mudança me dê a oportunidade de representar o Brasil em Tokyo 2020, todas as vagas têm que ser conquistadas dentro d´água, então vou dar o meu máximo para me qualificar como uma das duas surfistas que irão representar seus países nas Olimpíadas”.

“Estou muito feliz por ter todo o apoio dos fãs do Havaí, do Brasil e do mundo. Obrigado a todos por entender, respeitar e apoiar minha decisão”.

Com a opção da mudança de nacionalidade de Tatiana Weston-Webb aceita pela World Surf League, depois da aprovação da ISA (International Surfing Association), bem como da Confederação Brasileira de Surf (CBS), do Comitê Olímpico Brasileiro e do Comitê Olímpico Internacional, o Brasil agora passa a ter duas surfistas na elite das top-17 que disputa o título mundial no World Surf League Championship Tour 2018. A outra é a cearense Silvana Lima, que sempre competiu como brasileira desde o início da carreira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*

1 × quatro =