Saúde: É preciso saber comer

Foto Banco da Saúde/Divulgação

Foto Banco da Saúde/Divulgação

 

Interceder no cotidiano e afiar as garras da disposição. Superar os desafios diários com energia suficiente para aquela sessão de surfe pesada e ainda chegar no final do dia com ânimo suficiente para dedicar-se ao amor verdadeiro. É disso que estou falando.

 

Antes de tudo, é necessário explicar que não sou um entendido do assunto. Venho através deste texto tentar levantar um pouco mais o questionamento do leitor com relação a sua qualidade de vida, e como isso afeta os que estão a sua volta. Sinceramente, acreditei em uma melhora gradativa e significativa na minha vida e de meus familiares a partir do momento em que mudei meus hábitos alimentares.

 

O inicio de tudo pode ser descrito como uma vontade imensa em melhorar. Em alterar significativamente o que estava à minha volta. Lembre-se, se você quer que as coisas mudem PASSE A AGIR DIFERENTE. E foi assim que o fiz.

 

A partir do momento em que comecei a prestar mais atenção em meus hábitos alimentares, e ter sutis modificações naquilo que levava à minha boca um mundo novo se abriu. Considero, hoje, que ainda estou em um processo de aprendizado e iniciação, mas alguns conceitos básicos podem e devem ser compartilhados.

 

Tudo aquilo que me levava às fórmulas industriais de fabricação de alimentos foram sendo deixados para trás. Busquei cada vez mais retirar a casca do alimento do que retirar a embalagem. Parti do pressuposto de que quanto mais agressão o alimento sofria, desde sua produção até a adição de componentes e o longo caminho para chegar a mesa cada vez mais ele se tornavam prejudiciais.

 

Praticamente abandonados, trigo (glúten), açúcar, sal branco, refrigerante e leite foram se tornando objetos raros de se encontrar em casa. Mergulhei de cabeça no slow food. A cozinha já me dava prazer, hoje, além do prazer em comer e preparar o alimento, retiro dele a disposição necessária para evoluir.

 

É um processo de fortalecimento do corpo, que dá um suporte à alma. Engrandece o espirito e me possibilita ter maior dedicação ao próximo, ao mar, ao mundo. Busco aquilo que é necessário no contexto, e uno o útil ao agradável.

 

Potencializei a memória, aumentei o fôlego, melhorei significativamente a imunidade, controlei o humor de forma a tornar minha presença mais tolerável. Enfim, entrando cada vez mais em sintonia com o ambiente.

 

Existem algumas correntes de pensamento hoje em dia que elevam o conceito da alimentação à níveis antes inimagináveis, mas que são possíveis graças a ações eficazes de estudiosos e pessoas que pensavam fora da caixa. Muita coisa você pode encontrar na internet, seja em palestras do youtube ou nas receitas publicadas em sites especializados e interessados no assunto.

 

Diante a isso, está o propósito comum de melhorar enquanto parte viva de um meio. A vontade de estar a par daquilo que é o melhor para sua vida. Se estou feliz, e bem, todos a minha volta também estarão.

 

Seja na panqueca de banana antes do surfe, ou no prato cheio de frutas no meio da manhã, apenas o processo de tomar uma atitude e buscar na terra aquilo que de melhor ela dá para você já é uma mudança de visão que pode gerar atos ainda maiores em sua vida. Não fique de boca aberta para reclamar do que acontece, abra a boca para receber aquilo que há de melhor. E assim, mude o panorama dos acontecimentos a sua volta. Faça um mundo melhor a partir da sua melhora.

 

Moacir Kienast          

 

 

Veja mais textos da coluna Linhas Salgadas

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*

nove + dezoito =