Stephanie Gilmore volta ao topo

 

 

By João Carvalho

A australiana ganhou a disputa direta pela liderança do ranking na decisão do Corona Open J-Bay depois de passar pela gaúcha Tatiana Weston-Webb recordista absoluta na África do Sul

Depois de uma semana de espera, as ondas voltaram a bombar em Jeffreys Bay para fechar com chave de ouro a volta de uma etapa feminina do World Surf League Championship Tour para a África do Sul, depois de 18 anos. As três principais concorrentes ao título mundial da temporada chegaram nas semifinais, passando por duas fases nas séries pesadas de 4-6 pés da sexta-feira sem muitos tubos, mas com paredes perfeitas para fazer várias manobras.

A brasileira Tatiana Weston-Webb fez os recordes nas direitas de Jeffreys Bay e depois perdeu para Stephanie Gilmore, a quem tinha eliminado nas duas etapas da Indonésia. A australiana seguiu então para conquistar sua terceira vitória em três finais esse ano, ganhando a disputa direta pela liderança do ranking com Lakey Peterson na decisão do Corona Open J-Bay.

Stephanie Gilmore (Foto: @WSL / Kelly Cestari)

“É bom estar na frente novamente, mas definitivamente ainda tem muita coisa para acontecer”, disse Stephanie Gilmore. “A Lakey (Peterson) está surfando melhor a cada evento e isso que é a magia do esporte, a rivalidade, isso é o que eu amo em competir, de você se encontrar nesses momentos sob pressão, que é desafiada, podendo se recompor durante uma bateria. Eu já estou no circuito há alguns anos, já tive muitas vitórias, mas eu adoro isso”.

Esta foi a 29.a etapa que o furacão australiano venceu desde que entrou na divisão de elite da World Surf League já conquistando quatro títulos mundiais consecutivos, em 2007, 2008, 2009 e 2010. A havaiana Carissa Moore quebrou essa hegemonia em 2011, mas Stephanie Gilmore voltou a ser campeã no ano seguinte. As duas então ficaram trocando a coroa, com Carissa vencendo seu segundo título em 2013, Steph sendo hexacampeã em 2014 e a havaiana voltando ao topo em 2015. Depois, só deu a australiana Tyler Wright em 2016 e 2017.

(Foto: @WSL / Kelly Cestari)

Agora, a disputa está mais concentrada em Stephanie Gilmore e Lakey Peterson e essa é a segunda final que a australiana vence a norte-americana, valendo a lycra amarela do Jeep Leaderboard de número 1 do mundo. A primeira foi no Oi Rio Pro em Saquarema, quando Gilmore também retomou a ponta do ranking, para depois perder na Indonésia sempre sendo barrada pela brasileira Tatiana Weston-Webb nas duas provas de Bali. Lakey derrotou a gaúcha na final do Corona Bali Protected em Keramas para voltar a liderar a corrida do título mundial, até a decisão do Corona Open J-Bay nesta sexta-feira na África do Sul.

“Esperar por uma semana com a certeza de teríamos ótimas condições para surfar, foi muito importante para nós, meninas”, disse Stephanie Gilmore. “As ondas vieram e todas as meninas fizeram performances incríveis, mesmo sem nunca terem competido aqui. Sair daqui com a vitória é muito especial, pois eu e a Lakey (Peterson) estamos muito próximas no ranking. Essa vitória foi crucial na disputa do título mundial, então quero me manter na frente até o fim”.

DECISÃO DO TÍTULO – A disputa do título do Corona Open J-Bay foi bastante acirrada, uma batalha quase onda a onda, com as duas surfistas fazendo grandes manobras nas direitas perfeitas de Jeffreys Bay. Stephanie Gilmore ganhou a maior nota – 7,67 – da bateria e ainda surfou mais duas ondas na casa dos 6 pontos para derrotar Lakey Peterson por 14,24 a 11,50. A norte-americana não conseguiu reeditar suas grandes apresentações, como na semifinal com a sul-africana Bianca Buitendag, quando ganhou 8,83 e 7,83 em duas ondas excelentes.

Lakey Peterson (Foto: @WSL / Pierre Tostee)

“Hoje (sexta-feira) foi um grande dia”, disse Lakey Peterson.“Fazer o pódio aqui é um sonho. Eu e a Steph (Gilmore) estamos aí trocando a liderança e isso promete um restante de ano emocionante. Estou muito feliz que a WSL esperou para que pudéssemos pegar essas ondas e também quero agradecer a comunidade local por deixar essas ondas para nós nesse lugar maravilhoso. Eu sei que não é fácil sentar na praia e ficar só olhando durante o dia todo”.

A MELHOR EM J-BAY – Além das duas finalistas, outro destaque no último dia do Corona Open J-Bay foi a brasileira Tatiana Weston-Webb. Ela fez a melhor apresentação entre todas as meninas nas direitas de Jeffreys Bay. Foi durante as quartas de final, contra a americana Sage Erickson, com a gaúcha começando a bateria massacrando uma onda com quatro grandes manobras usando toda a potência do seu backside para ganhar a maior nota do campeonato, 9,77 com um juiz dando 10 para ela. Depois, surfou outra onda boa que valeu 8,77 para se tornar a recordista absoluta da etapa sul-africana com 18,54 pontos de 20 possíveis.

Tatiana Weston-Webb (Foto: @WSL / Kelly Cestari)

Na semifinal, Stephanie Gilmore foi quem começou forte com notas 8,17 e 7,50 e Tatiana não conseguiu achar boas ondas para repetir o seu ataque mortal de backside. Depois de ser eliminada pela brasileira nas duas etapas da Indonésia, a australiana conseguiu vencer dessa vez por uma larga vantagem de 15,67 a 10,33 pontos. Mesmo assim, Tatiana Weston-Webb segue fazendo uma campanha excelente nessa temporada, chegando nas semifinais em cinco das seis etapas do World Surf League Championship Tour 2018 completadas na África do Sul.

PRÓXIMAS ETAPAS – Depois do Corona Open J-Bay, pela primeira vez no ano, os homens e as mulheres não competirão juntos na mesma praia no sétimo desafio da temporada. A próxima das meninas é já no fim deste mês, a Vans US Open of Surfing de 30 de julho a 05 de agosto em Huntington Beach, na Califórnia. Já a sétima etapa masculina será o Tahiti Pro Teahupoo nos dias 10 a 21 de agosto, com Filipe Toledo defendendo a liderança do ranking na abertura da segunda metade do World Surf League Championship Tour 2018.

Mais informações do Corona Open J-Bay, notícias, fotos, vídeos e todos os resultados podem ser acessados na página do evento no www.worldsurfleague.com

Lakey Peterson e Stephanie Gilmore (Foto: @WSL / Kelly Cestari)

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL) tem como objetivo celebrar o melhor surfe do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, realizando mais de 180 eventos globais que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL tem uma enorme legião de fãs apaixonados pelo surf em todo o mundo, que acompanham ao vivo as apresentações de grandes estrelas, como Tyler Wright, John John Florence, Paige Alms, Kai Lenny, Taylor Jensesn, Honolua Blomfield, Mick Fanning, Stephanie Gilmore, Kelly Slater, Carissa Moore, Gabriel Medina, Courtney Conlogue, entre outros, competindo no campo de jogo mais imprevisível e dinâmico entre todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com.

———————————————————–

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

———————————————————–

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO CORONA OPEN J-BAY:

Campeã: Stephanie Gilmore (AUS) por 14,24 pontos (7,67+6,57) – US$ 65.000 e 10.000 pontos

Vice-campeã: Lakey Peterson (EUA) com 11,50 pontos (5,83+5,67) – US$ 33.000 e 7.800 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 6.085 pontos e US$ 21.000 de prêmio:

1.a: Lakey Peterson (EUA) 16.66 x 9.33 Bianca Buitendag (AFR)

2.a: Stephanie Gilmore (AUS) 15.67 x 10.33 Tatiana Weston-Webb (BRA)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com 4.745 pontos e US$ 14.475:

1.a: Bianca Buitendag (AFR) 12.33 x 8.90 Coco Ho (HAV)

2.a: Lakey Peterson (EUA) 15.83 x 13.30 Johanne Defay (FRA)

3.a: Stephanie Gilmore (AUS) 15.00 x 15.00 Bronte Macaulay (AUS)

4.a: Tatiana Weston-Webb (BRA) 18.54 x 10.60 Sage Erickson (EUA)

TERCEIRA FASE – 1.a e 2.a=Quartas de Final e 3.a=9.o lugar com 3.085 pontos e US$ 11.500:

1.a: 1-Bianca Buitendag (AFR)=14.40, 2-Johanne Defay (FRA)=14.30, 3-Carissa Moore (HAV)=11.36

2.a: 1-Lakey Peterson (EUA)=16.83, 2-Coco Ho (HAV)=15.10, 3-Malia Manuel (HAV)=13.07

3.a: 1-Stephanie Gilmore (AUS)=14.50, 2-Sage Erickson (EUA)=11.57, 3-Nikki Van Dijk (AUS)=11.04

4.a: 1-Tatiana Weston-Webb (BRA)=15.40, 2-Bronte Macaulay (AUS)=13.34, 3-Caroline Marks (EUA)=12.76

TOP-10 DO JEEP LEADERBOARD – RANKING WSL 2018 – 6 etapas:

01: Stephanie Gilmore (AUS) – 45.575 pontos

02: Lakey Peterson (EUA) – 43.430

03: Tatiana Weston-Webb (BRA) – 35.245

04: Johanne Defay (FRA) – 27.050

05: Tyler Wright (AUS) – 26.190

06: Carissa Moore (HAV) – 25.150

07: Caroline Marks (EUA) – 24.830

08: Sally Fitzgibbons (AUS) – 22.780

09: Nikki Van Dijk (AUS) – 21.440

09: Silvana Lima (BRA) – 21.440

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*

2 × um =