Mateus Herdy é campeão mundial

 

 

By João Carvalho

O catarinense Mateus Herdy, 17 anos, é o novo campeão mundial Pro Junior da World Surf League, aumentando para oito o recorde de vitórias do Brasil nesta vigésima edição do principal título das categorias de base no mundo. Na final do Taiwan Open of Surfing com o norte-americano Eithan Osborne, ele bateu todos os recordes com a nota 9,77 da onda que mandou dois aéreos e os 18,23 pontos que totalizou nas direitas de Jinzun Harbour. O californiano impediu uma inédita decisão de título brasileira, ao barrar nas semifinais o atual campeão sul-americano Pro Junior da WSL South America, Samuel Pupo, que dividiu o terceiro lugar com o indonesiano Rio Waida, derrotado pelo campeão Mateus Herdy.


Mateus Herdy com os troféus de campeão mundial e do Taiwan Open of Surfing (Foto: @WSL / Jack Barripp)

“Obrigado Deus, esta foi uma das melhores semanas da minha vida e estou muito feliz”, disse Mateus Herdy, que é filho do ex-surfista profissional, Alexandre Herdy, e sobrinho de um ex-top do CT por muitos anos, Guilherme Herdy. “Logo que cheguei aqui em Taiwan, eu adorei o lugar de imediato, pois é muito bonito, as ondas são ótimas, as pessoas muito legais, então certamente quero voltar aqui mais vezes. Eu estava falando com meus amigos antes da final e sabia que para vencer, eu teria que surfar melhor do que nunca. As condições estão ótimas para os aéreos, então eu fui para eles e estou muito feliz pela vitória”.

 Mateus ganhou destaque internacional quando conseguiu um surpreendente vice-campeonato na final do QS 10000 Hawaiian Pro em Haleiwa Beach, vencido pelo campeão mundial Joel Parkinson. Com este resultado, ele entrou no grupo dos dez que se classificam para o CT pelo WSL Qualifying Series. Mateus nem estava inscrito no outro QS 10000 do Havaí, porque já tinha recebido um convite para competir no Mundial Pro Junior. Mas, ganhou outro convite da WSL para defender sua vaga em Sunset Beach, no entanto perdeu logo na estreia na Vans World Cup e deu tempo para partir para Taiwan tentar o título mundial.


Mateus Herdy (Foto: @WSL / Tim Hain)

“Eu só tenho que agradecer a WSL pelos convites, me dando as chances que eu precisava. Não fui bem no Havaí, mas vim confiante para cá e estou feliz por ter dado tudo certo”, disse Mateus Herdy. “Eu sempre quis que o meu nome estivesse ao lado dos meus ídolos Adriano (de Souza) e o Gabriel (Medina). Agora consegui isso e é um sentimento incrível, pois ambos são minha grande inspiração no esporte e me ajudaram a chegar aqui”.

A decisão do título mundial começou com o californiano Eithan Osborne na frente, mas Mateus Herdy entrou na briga quando completou o seu primeiro aéreo reverse com rotação completa no ar, na junção da onda que valeu nota 7,50. Na de trás, Eithan Osborne escolheu atacar a direita com três manobras fortes de frontside para seguir liderando com o 6,90 recebido. O mar estava difícil, a correnteza era forte, as ondas de 4-6 pés não paravam de entrar e era preciso ficar remando o tempo todo para achar as melhores.


Mateus Herdy (Foto: @WSL / Tim Hain)

Mateus pegou outra direita boa e fez uma manobra forte na parede antes de buscar a rampa para voar. Ele aterrisou do full rotation e seguiu na onda, atacou o lip de novo e mandou outro aéreo rodando para finalizar a onda. Ele ficou em pé na prancha contando os dedos até erguer as duas mãos pedindo nota 10, mas nenhum dos cinco juízes deu, apesar de considerarem a melhor apresentação do campeonato com a média 9,77. Ela superou o 9,60 de Samuel Pupo, também com dois aéreos na mesma onda no sábado.

O americano também tenta um, mas cai. Aí Mateus vem em outra onda boa, faz um grande arco usando a borda e acelera para voar de novo, completar a manobra e receber 8,60 que praticamente garantia a vitória há menos de 15 minutos do fim da bateria. Seu oponente ficou tentando algo diferente, arriscando aéreos de difícil execução, porém não completou nenhum nas três ondas que pegou. Mateus Herdy então festejou o título mundial Pro Junior de 2018, aumentando seu próprio recorde de 18,00 para 18,37 pontos, contra 11,67 de Eithan Osborne.


Eithan Osborne (Foto: @WSL / Tim Hain)

“Eu fiquei um pouco chateado em perder o título, mas feliz pelo meu esforço esta semana para chegar até aqui”, disse Eithan Osborne. “O Mateus (Herdy) estava surfando de forma incrível e eu sabia que teria que tentar algo grande no evento, então foi legal conseguir completar algumas manobras diferentes para chegar na final. Este resultado certamente me deixa mais confiante para competir nos eventos do QS no ano que vem e obrigado a todos aqui de Taiwan, porque foi uma semana incrível, com boas ondas todos os dias”.

RECORDE DE TÍTULOS – O catarinense entra para o seleto grupo de brasileiros que conquistaram a maioria dos títulos na história do Mundial Pro Junior iniciada em 1998. Entre eles, os que depois se tornaram campeões mundiais do CT, Gabriel Medina e Adriano de Souza. O recorde começou a ser escrito pelo carioca Pedro Henrique no ano 2000. Depois, Mineirinho levou o troféu de 2003, o cearense Pablo Paulino foi bicampeão em 2004 e 2007, Caio Ibelli ganhou o título de 2011, Gabriel Medina o de 2013 e o carioca Lucas Silveira tinha vencido o último em 2015.


(Foto: @WSL / Jack Barripp)

São oito títulos do Brasil, contra cinco da Austrália, quatro do Havaí com Andy Irons ganhando o primeiro da história em 1998 antes de ser tricampeão mundial, um da França, um de Portugal e um da África do Sul. Os Estados Unidos continuam sem nenhum, mas a californiana Kirra Pinkerton já tinha quebrado o tabu em Taiwan, ao conseguir o primeiro título norte-americano em 20 anos de Mundial Pro Junior. As meninas só começaram a disputar essa competição em 2005 e as australianas venceram metade das quatorze edições.

Nenhuma surfista da América do Sul conseguiu ser campeã mundial Pro Junior ainda. A peruana Sol Aguirre, bicampeã sul-americana da WSL South America em 2017 e 2018, parou na campeã Kirra Pinkerton nas quartas de final e terminou em quinto lugar. No masculino, tudo indicava que o Taiwan Open of Surfing seria encerrado com uma final brasileira, pois Mateus Herdy e Samuel Pupo vinham se destacando, batendo recordes a cada bateria.


Samuel Pupo (Foto: @WSL / Tim Hain)

Samuel participou do primeiro confronto do dia e repetiu a dose de fazer dois aéreos na mesma onda como quando tinha conseguido a maior nota do evento no sábado, 9,60. Dessa vez, a média ficou em 8,67, que ele somou com o 7,83 da sua segunda onda para passar fácil pelo havaiano Cole Alves, com uma “combination” de 16,50 a 10,34 pontos. Nas semifinais, ele começou bem com nota 7,00, mas o americano Eithan Osborne também com 7,63 e logo conseguiu um 6,73 para liderar com 14,36 pontos. Depois, o máximo que Samuel Pupo conseguiu foi 5,33 e terminou em terceiro lugar com 12,33 nas duas notas.

Samuel e outro paulista que participou do Mundial Pro Junior, Eduardo Motta, carregaram Mateus Herdy nos ombros do mar até o pódio. Motta perdeu no sábado junto com o peruano Jhonny Guerrero, com os dois ficando empatados em nono lugar no ranking mundial Pro Junior de 2018 da World Surf League. Outro peruano fez parte do time sul-americano esse ano, mas Raul Dañino não conseguiu passar nenhuma bateria em Taiwan, assim como a argentina Catalina Mercere na categoria feminina.


Kirra Pinkerton e Mateus Herdy campeões mundiais Pro Junior de 2018 (Foto: @WSL / Jack Barripp)

O Taiwan Open of Surfing decidiu quatro títulos mundiais da World Surf League em duas semanas de boas ondas em Jinzun Harbour. Primeiro os da modalidade praticada em pranchões como nos primórdios do esporte, com o sul-africano Steven Sawyer e a norte-americana Soleil Errico sendo os campeões do Longboard na semana passada. De um extremo a outro, agora foram decididos os títulos da nova geração, com Mateus Herdy e a californiana Kirra Pinkerton levando os troféus da categoria Pro Junior, para surfistas com até 18 anos.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL) tem como objetivo celebrar o melhor surfe do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, realizando mais de 180 eventos globais que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL tem uma enorme legião de fãs apaixonados pelo surf em todo o mundo, que acompanham ao vivo as apresentações de grandes estrelas, como Tyler Wright, John John Florence, Paige Alms, Kai Lenny, Taylor Jensesn, Honolua Blomfield, Mick Fanning, Stephanie Gilmore, Kelly Slater, Carissa Moore, Gabriel Medina, Courtney Conlogue, entre outros, competindo no campo de jogo mais imprevisível e dinâmico entre todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com.

———————————————————–

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

———————————————————–

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO TAIWAN OPEN OF SURFING:

Campeão mundial: Mateus Herdy (BRA) por 18,37 pontos (9,77+8,60) – US$ 15.000 de prêmio

Vice-campeão: Eithan Osborne (EUA) com 11,67 pontos (6,90+4,77) – US$ 7.500

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 3.750 de prêmio:

1.a: Eithan Osborne (EUA) 14.36 x 12.33 Samuel Pupo (BRA)

2.a: Mateus Herdy (BRA) 16.27 x 13.90 Rio Waida (IDN)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com US$ 2.250:

1.a: Samuel Pupo (BRA) 16.50 x 10.34 Cole Alves (HAV)

2.a: Eithan Osborne (EUA) 14.83 x 14.50 Te Kehukehu Butler (NZL)

3.a: Rio Waida (IDN) 16.13 x 14.50 Caleb Tancred (AUS)

4.a: Mateus Herdy (BRA) 13.73 x 13.14 Yuji Nishi (JPN)

CAMPEÕES MUNDIAIS PRO JUNIOR DA WORLD SURF LEAGUE:

2018: Mateus Herdy (BRA) e Kirra Pinkerton (EUA) em Taiwan

2017: Finn McGill (HAV) e Vahine Fierro (TAH) na Austrália

2016: Ethan Ewing (AUS) e Macy Callaghan (AUS) na Austrália

2015: Lucas Silveira (BRA) e Isabella Nichols (AUS) em Portugal

2014: Vasco Ribeiro (PRT) e Mahina Maeda (HAV) em Portugal

2013: Gabriel Medina (BRA) e Ella Willians (NZL) no HD World Junior no Brasil

2012: Jack Freestone (AUS) e Nikki Van Dijk (AUS) em Bali, na Indonésia

2011: Caio Ibelli (BRA) e Leila Hurst (HAV) na Indonésia, Brasil, Austrália

2010: Jack Freestone (AUS) e Alizee Arnaud (FRA) na Indonésia e Austrália

2009: Maxime Huscenot (FRA) e Laura Enever (AUS) na Austrália

2008: Kai Barger (HAV) e Pauline Ado (FRA) na Austrália

2007: Pablo Paulino (BRA) e Sally Fitzgibbons (AUS) na Austrália

2006: Jordy Smith (AFR) e Nicola Atherton (AUS) na Austrália

2005: Kekoa Bacalso (HAV) e Jessi Miley-Dyer (AUS) na Austrália

2004: Pablo Paulino (BRA) na Austrália

2003: Adriano de Souza (BRA) na Austrália

2002: não realizado por falta de datas

2001: Joel Parkinson (AUS) na Austrália

2000: Pedro Henrique (BRA) no Havaí

1999: Joel Parkinson (AUS) no Havaí

1998: Andy Irons (HAV) no Havaí

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*

9 − 2 =