Italo Ferreira é o campeão do Rip Curl Pro Bells

 

 

 

By João Carvalho 

 

O potiguar Italo Ferreira é o novo campeão do Rip Curl Pro Bells Beach e badalou o sino do troféu da vitória conquistada numa bateria que fica marcada na história do esporte, pela despedida do tricampeão mundial Mick Fanning do World Surf League Championship Tour. A praia estava lotada na quinta-feira, com toda a torcida e seus amigos esperando que ele encerrasse a carreira com um recorde de cinco títulos em casa. Mas, Italo vinha sendo o melhor surfista nas ondas de Bells Beach e na final comprovou isso, para ganhar sua primeira etapa e liderar a corrida pelo título mundial de 2018, junto com o australiano Julian Wilson.


Italo Ferreira (Foto: @WSL / Kelly Cestari)

“Eu nem consigo acreditar ainda nisso tudo. É incrível, a minha primeira vitória, o Mick Fanning é meu ídolo, nossa, estou muito feliz”, disse Italo Ferreira. “Eu tenho trabalhado duro nos últimos anos. Lembro da minha primeira final com o Filipe (Toledo) em Portugal (em 2016), estava tão perto da vitória, mas agora consegui. O ano passado foi difícil pra mim, por causa da minha lesão depois da Gold Coast, que me deixou de fora por dois meses. Foi terrível e trabalhei muito forte para me recuperar, então agora é o melhor sentimento, muita felicidade pela vitória neste lugar incrível e contra um cara iluminado na final, um herói”.

Italo agora vai competir com a lycra amarela do Jeep Leaderboard pela primeira vez no Drug Aware Margaret River Pro, que começa na quarta-feira (11), com prazo para fechar a “perna australiana” até o dia 22 de abril. Depois, os melhores do mundo vêm para o Brasil, para a segunda edição do Oi Rio Pro em Saquarema, de 11 a 22 de maio na “Cidade do Surf” da Região dos Lagos do Rio de Janeiro, que no ano passado terminou também com vitória brasileira de Adriano de Souza na Praia de Itaúna.


Italo Ferreira (Foto: @WSL / Ed Sloane)

Mineirinho foi o primeiro e até então único brasileiro a vencer o Rip Curl Pro Bells Beach, em 2013. Ele balançou tão forte o troféu, que o sino acabou caindo de tanto badalar. Foi também, a primeira e única vez que isso aconteceu. O potiguar Italo Ferreira festejou bastante no pódio, tocando o sino da 37.a vitória do Brasil na história da World Surf League, a primeira do surfista de Baía Formosa em sua quarta temporada no grupo de elite que disputa o título mundial.

Italo foi criado em ondas para a direita como as de Bells Beach e vinha batendo seus próprios recordes a cada bateria, com o seu backside agressivo e vertical liquidando todos os adversários que enfrentou no último dia. Ele já tinha registrado as maiores marcas do Rip Curl Pro no duelo brasileiro com Filipe Toledo na terceira fase, 16,60 pontos com notas 8,50 e 8,10. Nas quartas de final que abriram a quinta-feira, atingiu 17,86 com 8,83 e 9,03 contra o havaiano Ezekiel Lau. E na semifinal com Gabriel Medina, ganhou 9,17 na melhor onda do evento na análise dos juízes, para derrotar o campeão mundial por 16,00 a 14,10 pontos.

“Eu só quero dizer obrigado Deus e dedicar essa vitória a minha família, minha namorada e todas as pessoas que tem me apoiado ao longo desses anos”, disse Italo Ferreira. “Eu sou uma pessoa muito feliz por ser este o meu trabalho e eu só tentei fazer o meu melhor nas ondas que surfei em cada uma das baterias. Eu sabia que tinha que continuar assim na final e o Mick (Fanning) é um dos meus surfistas favoritos, o melhor concorrente e só tenho que agradecer a ele por tudo que já fez para o nosso esporte”.


Fanning abraçando Italo após a bateria (Foto: @WSL / Ed Sloane)

DECISÃO DO TÍTULO – Na grande final, a bateria começou lenta e a primeira série de ondas boas só entrou quando restavam 15 minutos para o término. Italo pega a da frente e manda uma batida muito forte que chega a se desequilibrar, mas continua em pé na prancha para uma sequência de mais duas manobras e outra explosiva na junção. Mick Fanning vem na de trás fazendo o seu surfe de borda com grandes manobras e a nota do australiano sai 8,10, contra 6,33 do brasileiro.

O potiguar escolhe bem outra onda limpa com potencial e começa com duas manobras potentes no outside para ganhar nota 7,33 e assumir a ponta. O australiano vem na onda de trás, mas não era tão boa e só consegue 4,73. Faltando 5 minutos, o tricampeão deixa passar uma para Italo, que destrói a onda do início até o fim, vibrando bastante na finalização. Os juízes dão nota 8,33 e ele abre 7,57 de vantagem sobre Fanning.

Depois, não entra mais nada de onda e Italo Ferreira festeja sua primeira vitória no CT, recebendo um grande e longo abraço de Mick Fanning dentro d´agua, com o australiano aplaudindo o brasileiro numa cena emocionante, digna de um cavalheiro como sempre foi um dos maiores mitos do esporte. Depois de tudo que passou naquele incidente do tubarão em Jeffreys Bay, seguiu competindo até anunciar sua aposentadoria definitiva do Circuito Mundial com um honroso terceiro lugar no ranking e poderia ser na liderança se vencesse.


Mick Fanning (Foto: @WSL / Ed Sloane)

“Foi um momento muito especial poder estar na final com toda essa torcida e melhores amigos aqui, mas estou feliz em ver o quanto essa vitória significou para o Italo (Ferreira), foi uma das melhores coisas que eu já vi em Bells”, disse Mick Fanning, após sua sétima final com quatro vitórias no evento do seu patrocinador. “Foi muito divertido surfar com todos que competi nesse evento, o Seabass (Sebastian Zietz), o Paddy Gudang (Patrick Gudauskas), o Wilko (Matt Wilkinson), o Owen (Wright). Foi realmente especial porque me sentia surfando com um amigo e foi incrível ver e sentir todo o apoio dos fãs. Obrigado a todos que tornaram isso tão memorável, foi uma carreira incrível e agradeço a todos”.

OS PASSOS DA VITÓRIA – Enquanto Mick Fanning se despede de quase 20 anos de carreira, com 22 etapas vencidas e três títulos mundiais conquistados, Italo Ferreira está iniciando sua trajetória. Para conquistar a primeira vitória, o potiguar teve que passar por dois desafios com surfistas que vinham se destacando no evento. O primeiro dos três passos do título na quinta-feira foi contra o havaiano Ezekiel Lau, que tinha barrado o bicampeão mundial John John Florence.


(Foto: @WSL / Kelly Cestari)

Foi neste duelo que Italo aumentou seus recordes em duas ondas seguidas. Na primeira, já mostrou seu backside vertical e agressivo nas direitas de Bells para aumentar a maior nota de 8,50 para 8,83. A seguinte foi melhor ainda e ele começa com uma pancada invertendo a direção do bico da prancha, arma uma segunda muito forte e completa um ataque explosivo numa junção cavernosa, ganhando nota 9,03 para atingir 17,86 pontos.

No duelo luso-brasileiro da bateria seguinte, Medina só pegou sua primeira onda quando restavam 13 minutos e escolheu bem, pois ela abriu uma parede limpa para detonar duas manobras muito fortes de entrada e seguir atacando com batidas e rasgadas de backside até o inside. Os juízes deram nota 8,83, mas ainda precisava de 4,34 pontos para superar a soma das notas 7,00 e 6,17 de Frederico Morais. E Medina consegue isso na onda seguinte, surfada cinco minutos depois, que valeu 6,90 para derrotar o português por 15,73 a 15,00 pontos.

SEMIFINAL BRASILEIRA – Na semifinal brasileira, Italo pegou a primeira onda e abriu com uma batida forte embaixo do lip, seguiu manobrando até a finalização na junção e começou com 6,33. Medina também inicia sua onda com duas manobras fortes no outside e termina com uma mais explosiva na junção para largar na frente com 6,50.  Com a prioridade de escolha da próxima onda, Italo deixa passar uma que abre uma parede em pé para Medina mandar uma série de seis manobras potentes de backside, lincadas com velocidade para receber nota 7,60.


Gabriel Medina (Foto: @WSL / Kelly Cestari)

Italo passa a precisar de 7,77 e pega a segunda onda boa dele, repetindo o ataque que vinha arrancando as maiores notas do Rip Curl Pro. Era uma direita da série, grande, e Italo arriscou tudo com seu backside vertical para aumentar de novo a maior nota do campeonato para 9,17. Agora, era o campeão mundial que precisaria de 7,91 para retomar o primeiro lugar. Medina já havia derrotado o potiguar duas vezes em Bells, na primeira e na quarta fase, então a expectativa ficou para o mar, se iria entrar mais ondas boas.

O potiguar entrou numa que o Gabriel deixou e aproveitou para trocar a nota 6,33 da sua primeira onda por 6,83, aumentando a vantagem para 8,41. Medina continuava aguardando no outside quando soou o sinal dos cinco minutos finais. Tudo indicava que teria mais uma chance apenas e ele pegou uma onda há 3 minutos do fim, com Italo vindo na de trás. Medina arrisca o aéreo na finalização que poderia dar a vitória, mas não completou e, por 16,00 a 14,10 pontos, Italo passou para sua segunda decisão de título em etapas do CT.

VITÓRIAS BRASILEIRAS – O potiguar conquistou a 37.a vitória verde-amarela na história da World Surf League. Ele foi o 14.o brasileiro a vencer etapas válidas pelo título mundial da temporada, desde a criação do circuito em 1976. Gabriel Medina é quem tem mais vitórias, nove, seguido pelo também campeão mundial Adriano de Souza com sete, Filipe Toledo com cinco, Fabio Gouveia com quatro, os irmãos Teco e Neco Padaratz com duas cada um e Italo Ferreira é o oitavo a entrar na lista dos brasileiros que ganharam uma vez. Nela está outro surfista do Rio Grande do Norte, o natalense Jadson André, além do primeiro a festejar um título, o saudoso Pepê Lopes, na etapa do Arpoador do primeiro Circuito Mundial em 1976.


(Foto: @WSL / Kelly Cestari)

TETRACAMPEà– No Rip Curl Women´s Pro, a hexacampeã mundial Stephanie Gilmore igualou a marca de quatro vitórias de Mick Fanning em sua oitava final em Bells Beach. Uma das decisões, a australiana perdeu para Silvana Lima, que em 2009 tocou o sino do troféu de campeã. Essa final poderia até se repetir esse ano, mas a jovem havaiana Tatiana Weston-Webb pegou a melhor da bateria fraca de ondas e a cearense não conseguiu reeditar as boas atuações que a levaram até as semifinais. Com o terceiro lugar, Silvana subiu de nono para sétimo no Jeep Leaderboard da World Surf League.

Na disputa seguinte, a australiana teve muito trabalho para superar a adolescente americana Caroline Marks. A surfistinha de apenas 16 anos começou bem numa onda que valeu 8,77 e Stephanie precisou correr atrás, só garantindo a classificação para a sua oitava final em Bells na onda que surfou nos últimos minutos. E foi com chave de ouro, massacrando a direita com uma série de manobras que arrancou a maior nota do evento na categoria feminina, 9,07. Com ela, virou o placar para 17,00 a 15,44 pontos.

Na grande final, Stephanie seguiu fazendo uma boa escolha de ondas e usando o seu surfe polido, alongando as manobras de borda em grandes arcos para tirar duas notas na casa dos 7 pontos. A havaiana Tatiana Weston-Webb mostrou um backside mais agressivo e chegou perto da vitória duas vezes. Quando precisava de 7,77 pontos para vencer, recebeu 7,37 na melhor onda da bateria. Com ela, diminuiu a diferença para 6,80 e Stephanie deixou passar uma onda no último minuto para Tatiana arriscar tudo, porém a nota saiu 6,57 e o placar do tetracampeonato da australiana ficou em 14,17 a 13,94 pontos.


Stephanie Gilmore (Foto: @WSL / Ed Sloane)

“Foi diferente esse evento pra mim, porque ele foi se desenvolvendo com todo o foco no Mick (Fanning), então isso tirou um pouco da pressão na gente”, disse Stephanie Gilmore. “Era como se nada mais importasse no restante do evento e acho que os momentos mais estressantes da minha bateria, foram quando o Mick estava remando para a dele. Acho que ver o quanto ele estava calmo e relaxado, aliviou a pressão em mim, pois ela estava toda sobre ele. Estou feliz que, no meio de todas essas emoções, eu consegui me concentrar em pegar boas ondas para vencer mais uma vez aqui em Bells Beach”.

Com a vitória, Stephanie Gilmore tirou a lycra amarela do Jeep Leaderboard da norte-americana Lakey Peterson, para usa-la na próxima etapa, em Margaret River. Com os 7.800 pontos do vice-campeonato, Tatiana Weston-Webb subiu da 13.a para a quinta colocação. Empatadas em terceiro lugar no Rip Curl Pro Bells Beach, Caroline Marks foi da quinta para a terceira posição no ranking e Silvana Lima saiu do nono para o sétimo lugar.

Mais informações, notícias, fotos, vídeos e todos os resultados do Rip Curl Pro Bells Beach estão na página do evento no www.worldsurfleague.com que transmitiu a segunda etapa do World Surf League Championship Tour 2018 ao vivo da Austrália pelo Facebook Live e pelo aplicativo da World Surf League.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL) tem como objetivo celebrar o melhor surfe do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, realizando mais de 180 eventos globais que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL tem uma enorme legião de fãs apaixonados pelo surf em todo o mundo, que acompanham ao vivo as apresentações de grandes estrelas, como Tyler Wright, John John Florence, Paige Alms, Kai Lenny, Taylor Jensesn, Honolua Blomfield, Mick Fanning, Stephanie Gilmore, Kelly Slater, Carissa Moore, Gabriel Medina, Courtney Conlogue, entre outros, competindo no campo de jogo mais imprevisível e dinâmico entre todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com.

———————————————————–

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

———————————————————–

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO RIP CURL PRO BELLS BEACH:

Campeão: Italo Ferreira (BRA) por 15,66 pontos (8,33+7,33) – US$ 100.000 e 10.000 pontos

Vice-campeão: Mick Fanning (AUS) com 12,83 pontos (8,10+4,73) – US$ 55.000 e 7.800 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 6.085 pontos e US$ 30.000 de prêmio:

1.a: Mick Fanning (AUS) 16.50 x 9.67 Patrick Gudauskas (EUA)

2.a: Italo Ferreira (BRA) 16.00 x 14.10 Gabriel Medina (BRA)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com 4.745 pontos e US$ 19.000 de prêmio:

1.a: Patrick Gudauskas (EUA) 11.67 x 11.44 Michel Bourez (TAH)

2.a: Mick Fanning (AUS) 13.77 x 9.33 Owen Wright (AUS)

3.a: Italo Ferreira (BRA) 17.86 x 11.50 Ezekiel Lau (HAV)

4.a: Gabriel Medina (BRA) 15.73 x 15.00 Frederico Morais (PRT)

DECISÃO DO TÍTULO DO RIP CURL WOMEN´S PRO BELLS BEACH:

Campeã: Stephanie Gilmore (AUS) por 14,17 pontos (7,17+7,00) – US$ 60.000 e 10.000 pontos

Vice-campeã: Tatiana Weston-Webb (HAV) com 13,94 (7,37+6,57) – US$ 33.000 e 7.800 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 6.085 pontos e US$ 21.000 de prêmio:

1.a: Tatiana Weston-Webb (HAV) 13.00 x 5.10 Silvana Lima (BRA)

2.a: Stephanie Gilmore (AUS) 17.00 x 15.44 Caroline Marks (EUA)

TOP-22 DO JEEP LEADERBOARD – RANKING WSL 2018 – após a 2.a etapa:

01: Julian Wilson (AUS) – 11.665 pontos

01: Italo Ferreira (BRA) – 11.665 pontos

03: Mick Fanning (AUS) – 11.500

04: Owen Wright (AUS) – 9.490

04: Michel Bourez (TAH) – 9.490

06: Adrian Buchan (AUS) – 9.465

07: Gabriel Medina (BRA) – 7.750

07: Griffin Colapinto (EUA) – 7.750

09: Tomas Hermes (BRA) – 6.505

09: Patrick Gudauskas (EUA) – 6.505

11: Filipe Toledo (BRA) – 6.410

11: Frederico Morais (PRT) – 6.410

13: Adriano de Souza (BRA) – 5.365

13: Jeremy Flores (FRA) – 5.365

13: Conner Coffin (EUA) – 5.365

13: Wade Carmichael (AUS) – 5.365

17: Ezekiel Lau (HAV) – 5.165

17: Michael Rodrigues (BRA) – 5.165

19: Matt Wilkinson (AUS) – 4.120

19: Kanoa Igarashi (EUA) – 4.120

21: Mikey Wright (AUS) – 3.700

22: Jordy Smith (AFR) – 3.330

22: Kolohe Andino (EUA) – 3.330

22: Joel Parkinson (AUS) – 3.330

22: Willian Cardoso (BRA) – 3.330

——–outros brasileiros:

26: Jessé Mendes (BRA) – 2.085 pontos

31: Caio Ibelli (BRA) – 840

31: Ian Gouveia (BRA) – 840

31: Yago Dora (BRA) – 840

TOP-10 DO JEEP LEADERBOARD – RANKING WSL 2018 – 2 etapas:

01: Stephanie Gilmore (AUS) – 14.745 pontos

02: Lakey Peterson (EUA) – 13.085

03: Caroline Marks (EUA) – 10.830

04: Carissa Moore (HAV) – 9.490

05: Tatiana Weston-Webb (HAV) – 9.190

05: Keely Andrew (AUS) – 9.190

07: Silvana Lima (BRA) – 9.170

08: Tyler Wright (AUS) – 7.830

08: Johanne Defay (FRA) – 7.830

10: Sally Fitzgibbons (AUS) – 7.475

10: Malia Manuel (HAV) – 7.475

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*

cinco − 3 =