Filipe, Medina e Italo nas quartas em Teahupoo

 

 

Filipe Toledo vai abrir o dia final da etapa taitiana com o sul-africano Michael February e Gabriel Medina e Italo Ferreira vão se enfrentar na disputa pela última vaga para as semifinais.

Os três brasileiros que estão na briga direta pelo título mundial, passaram para as quartas de final da etapa que abre a segunda metade do World Surf League Championship Tour. Filipe Toledo está com a lycra amarela do Jeep Leaderboard e vai disputar a primeira bateria com o sul-africano novato na elite, Michael February. Já Gabriel Medina e Italo Ferreira, se enfrentam na briga pela última vaga para as semifinais no confronto do número 3 e 4 do ranking. Ambos tiram a vice-liderança do australiano Julian Wilson se chegarem na final do Tahiti Pro Teahupoo. A primeira chamada da sexta-feira é as 7h00 no Taiti, 14h00 no Brasil.

Filipe Toledo (Foto: @WSL / Poullenot)

As previsões das ondas não são boas para o período da etapa taitiana esse ano, então está sendo necessário aproveitar o que tem. O evento já ficou parado na terça e na quarta-feira, retornando na quinta-feira em ondas pequenas ainda, 3-5 pés, com poucas boas entrando na maioria das baterias nos longos intervalos entre as séries. Mas, durante o dia, tubos foram surfados, aéreos e grandes manobras decidiram classificações. As condições do mar eram melhores em algumas baterias, em outras não entrava quase nada de ondas, coisas da Natureza. Então, era preciso escolher bem e não desperdiçar qualquer chance de surfar.

Filipe Toledo conseguiu a primeira vitória brasileira na sexta bateria da quinta-feira, depois do campeão mundial Adriano de Souza e dos novatos na “seleção brasileira” do CT, Michael Rodrigues e Jessé Mendes, terem sido eliminados. O número 1 do Jeep Leaderboard começou forte com nota 7,83 na primeira onda e não deu qualquer chance para o convidado taitiano, Tikanui Smith. O mar até ficou bom nessa hora, porém à tarde, as condições já estavam bem deterioradas pela ação do vento na batalha por vagas nas quartas de final.

“O Tika (Smith) é um grande cara e perigoso aqui em qualquer tamanho de onda, porque conhece muito bem esse lugar”, disse Filipe Toledo. “Estou muito feliz em continuar competindo nesse lugar lindo. As ondas não estão do tamanho que todos nós gostaríamos, não tem aqueles tubos, mas estão bem divertidas para surfar. Quero continuar seguindo assim, dando um passo de cada vez, pois é de passo em passo que a gente alcança os resultados”.

À tarde, Filipe entrou na segunda bateria da quarta fase e não conseguiu achar boas ondas para repetir o seu ataque matador nas esquerdas de Teahupoo. No entanto, duas notas na casa dos 5 pontos foram suficientes para superar o japonês Kanoa Igarashi e passar em segundo na vitória do australiano Owen Wright, por 12,67 a 11,40 do brasileiro. O próximo oponente do líder Filipe Toledo é Michael February, a surpresa do dia com a vitória no duelo sul-africano do novato na elite com o número 5 do ranking, Jordy Smith. Depois bateu o sexto colocado, Wade Carmichael, que avançou em segundo na bateria que abriu a quarta fase.

Gabriel Medina (Foto: @WSL / Poullenot)

O MELHOR NO TAITI – Logo após a vitória de Filipe Toledo, começou a primeira bateria brasileira da terceira fase, que acabou sendo a melhor do dia até ali. Gabriel Medina e Wiggolly Dantas pegaram boas ondas, com oportunidades para surfar belos tubos e fazer grandes manobras. Medina aumentou o maior placar da terceira fase para 14,73 pontos, superando os 14,66 que Filipe Toledo tinha acabado de fazer. Wiggolly também foi bem e perdeu com 13,67 pontos, suficientes para vencer quatro das seis baterias disputadas até ali.

Depois, Medina também surfou a melhor onda, nota 7,5, para controlar a vantagem até vencer o penúltimo confronto do dia por 13,67 pontos. Foi logo após a classificação de Filipe Toledo e também foi fraco de ondas. Na luta pela segunda vaga para as quartas de final, o americano Kolohe Andino ganhou por pouco do outro brasileiro, Yago Dora, 10,43 a 9,50. Ele ficou em nono lugar no Tahiti Pro Teahupoo, mas entrou no grupo dos 22 primeiros do ranking que são mantidos na elite para o ano que vem, tirando da lista o também catarinense Tomas Hermes.

“Eu amo surfar Teahupoo, não importa o tamanho das ondas”, disse Gabriel Medina. “A previsão deste ano não é boa, mas ainda temos algumas ondas para surfar tubos e fazer manobras, está divertido o mar. É um tipo diferente de surfe aqui, mas estou feliz em estar nas quartas de final mais uma vez. É um evento importante na corrida do título mundial este ano e todos estão querendo um bom resultado aqui, eu também”.

Gabriel Medina tem o melhor retrospecto na perigosa bancada de Teahupoo nos últimos anos. Desde 2014, quando bateu o mestre Kelly Slater numa final com tubos enormes e desafiadores, foi vice-campeão no ano seguinte contra o francês Jeremy Flores, também perdeu o título para Julian Wilson no ano passado e foi semifinalista em 2016. Essa é quinta vez consecutiva que ele chega nas quartas de final, agora para um duelo brasileiro decisivo na briga pelo título mundial com Italo Ferreira.

Italo Ferreira (Foto: @WSL / Kelly Cestari)

POTIGUAR VOADOR – Enquanto Medina busca sua primeira vitória no ano, o potiguar ganhou duas das cinco consecutivas do Brasil nas seis etapas disputadas até o Taiti. Outras duas foram vencidas por Filipe Toledo e uma pelo catarinense Willian Cardoso. Italo Ferreira competiu pela primeira vez em Teahupoo em 2015 e foi a única que também chegou nas quartas de final, parando no australiano Owen Wright. Na quinta-feira, o potiguar de Baía Formosa já disputou uma bateria brasileira com o pernambucano Ian Gouveia que fechou a terceira fase.

Ele voltou na última do dia e seus adversários acharam os tubos para dominar toda a bateria. Tanto o tubo do francês Jeremy Flores, como o de Connor O´Leary, recebeu nota 8,17 dos juízes. O australiano já tinha batido todos os recordes do campeonato na terceira fase, com a nota 9,20 num tubaço incrível e os 16,53 pontos que totalizou contra o taitiano Michel Bourez.

Com a vantagem, os dois ficaram dominando o pico, o tempo foi passando e, como não vinham mais tubos, Italo passou a arriscar os aéreos. E foi voando, que ele conseguiu notas 7,07 e 6,03 nas últimas ondas, para conquistar a última vaga para as quartas de final. Jeremy venceu por 15,24 pontos, o potiguar voador passou em segundo com 13,10 e o australiano foi eliminado com 11,34, somando 3,17 da última onda que surfou para tentar a classificação.

Yago Dora (Foto: @WSL / Poullenot)

SELEÇÃO BRASILEIRA – Além dos três classificados para as quartas de final e de Yago Dora, que perdeu na quarta fase, outros cinco brasileiros competiram na quinta-feira e ficaram na primeira rodada do dia, em 13.o lugar no Tahiti Pro Teahupoo, com apenas 1.665 pontos no ranking. Dois deles caíram nos duelos brasileiros da terceira fase, Wiggolly Dantas na bateria paulista com Gabriel Medina e Ian Gouveia no confronto nordestino com Italo Ferreira.

O dia não começou bem para o Brasil, com três eliminações seguidas. O cearense Michael Rodrigues entrou na segunda bateria e não achou nada de ondas contra o havaiano Ezekiel Lau. A disputa seguinte também foi fraca de ondas e o paulista Jessé Mendes tentou de tudo, mas perdeu por 9,50 a 9,40 para o australiano top-6 do ranking, Wade Carmichael. Depois, o campeão mundial Adriano de Souza só conseguiu pegar duas ondas na sua e a segunda foi a melhor da bateria, valeu 7,50. Mas, o japonês Kanoa Igarashi ainda pegou uma no final para tirar outra nota na casa dos 5 pontos e vencer por 11,40 a 11,17.

Depois dessas três derrotas seguidas, Filipe Toledo confirmou o favoritismo contra o taitiano Tikanui Smith, Gabriel Medina derrotou Wiggolly Dantas, Yago Dora despachou o australiano Mikey Wright e Italo Ferreira venceu Ian Gouveia na batalha pela última vaga para a quarta fase. Com a classificação, Yago Dora tirou a 22.a posição no ranking do também catarinense Tomas Hermes, que não passou nenhuma bateria no Taiti. Sua vaga no G-22 do CT só é ameaçada pelo sul-africano Michael February, adversário de Filipe Toledo nas quartas de final.

Acompanhe a transmissão ao vivo do último dia do Tahiti Pro Teahupoo pelo www.worldsurfleague.com ou pelo Facebook ou pelo aplicativo da World Surf League.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL) tem como objetivo celebrar o melhor surfe do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, realizando mais de 180 eventos globais que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL tem uma enorme legião de fãs apaixonados pelo surf em todo o mundo, que acompanham ao vivo as apresentações de grandes estrelas, como Tyler Wright, John John Florence, Paige Alms, Kai Lenny, Taylor Jensesn, Honolua Blomfield, Mick Fanning, Stephanie Gilmore, Kelly Slater, Carissa Moore, Gabriel Medina, Courtney Conlogue, entre outros, competindo no campo de jogo mais imprevisível e dinâmico entre todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com.

———————————————————–

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

———————————————————–

QUARTAS DE FINAL DO TAHITI PRO TEAHUPOO:

1.a: Filipe Toledo (BRA) x Michael February (AFR)

2.a: Wade Carmichael (AUS) x Owen Wright (AUS)

3.a: Gabriel Medina (BRA) x Italo Ferreira (BRA)

4.a: Kolohe Andino (EUA) x Jeremy Flores (FRA)

QUARTA FASE – 1.o e 2.o=Quartas de Final e 3.o=9.o lugar com 3.700 pontos:

1.a: 1-Michael February (AFR)=14.70, 2-Wade Carmichael (AUS)=12.07, 3-Ezekiel Lau (HAV)=10.97

2.a: 1-Owen Wright (AUS)=12.67, 2-Filipe Toledo (BRA)=11.40, 3-Kanoa Igarashi (JPN)=8.26

3.a: 1-Gabriel Medina (BRA)=13.67, 2-Kolohe Andino (EUA)=10.43, 3-Yago Dora (BRA)=9.50

4.a: 1-Jeremy Flores (FRA)=15.24, 2-Italo Ferreira (BRA)=13.10, 3-Connor O´Leary (AUS)=11.34

TERCEIRA FASE – Derrota=13.o lugar com 1.665 pontos e US$ 11.0000:

1.a: Michael February (AFR) 9.66 x 4.83 Jordy Smith (AFR)

2.a: Ezekiel Lau (HAV) 12.50 x 5.07 Michael Rodrigues (BRA)

3.a: Wade Carmichael (AUS) 9.50 x 9.40 Jessé Mendes (BRA)

4.a: Owen Wright (AUS) 14.27 x 10.83 Joel Parkinson (AUS)

5.a: Kanoa Igarashi (JPN) 11.40 x 11.17 Adriano de Souza (BRA)

6.a: Filipe Toledo (BRA) 14.66 x 6.90 Tikanui Smith (TAH)

7.a: Gabriel Medina (BRA) 14.73 x 13.67 Wiggolly Dantas (BRA)

8.a: Kolohe Andino (EUA) 13.27 x 12.36 Frederico Morais (PRT)

9.a: Yago Dora (BRA) 12.90 x 8.24 Mikey Wright (AUS)

10: Connor O´Leary (AUS) 16.53 x 11.34 Michel Bourez (TAH)

11: Jeremy Flores (FRA) 13.14 x 9.93 Adrian Buchan (AUS)

12: Italo Ferreira (BRA) 12.14 x 10.34 Ian Gouveia (BRA)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*

3 × três =