Chloé Calmon chega as semifinais na China

A sexta-feira amanheceu com ondas irregulares de 2-3 pés em Riyue Bay e só foram realizadas três baterias das quartas de final femininas do Jeep World Longboard Championship 2016, pois as condições do mar se deterioraram rapidamente na China. A carioca Chloé Calmon ganhou o primeiro duelo do dia, já está nas semifinais como no ano passado e vai tentar trazer um título inédito para o Brasil na Ilha Hainan. Já a categoria masculina, que tem o peruano Piccolo Clemente buscando o tricampeonato mundial e os brasileiros Phil Rajzman e Rodrigo Sphaier também classificados para disputar vagas para as quartas de final, não rolou na sexta-feira.

Chloé Calmon (Foto: Hain - WSL)

Chloé Calmon (Foto: Hain – WSL)

Entre as meninas, uma nova campeã será conhecida esse ano, pois as duas últimas que estavam na disputa foram eliminadas por duas surfistas da Ilha Reunião. A defensora do título, Rachael Tilly, dos Estados Unidos, perdeu para Justine Mauvin. E a bicampeã de 2012 e 2013, Kelia Moniz, do Havaí, foi barrada por Alice Lemoigne. Por ser a única das cinco concorrentes que já foi semifinalista do Jeep World Longboard Championship na China, Chloé Calmon é apontada como a grande favorita pelas suas ótimas atuações nas ondas de Riyue Bay.

A brasileira teve que mostrar todo o seu potencial para derrotar Honolua Blomfield. Chloé começou bem com nota 8,33, mas só confirmou a vitória em sua última onda, quando usou sua habilidade em executar as manobras clássicas do pranchão para arrancar 9,33 dos juízes. Com ela, atingiu o maior placar das meninas nas ondas de Riyue Bay esse ano, 17,66 pontos contra 14,67 da havaiana.

“Foi realmente uma bateria muito louca, pois não tínhamos certeza se ela ia rolar até minutos antes de começar”, disse Chloé Calmon. “Eu observei uma grande melhoria no surfe da Honolua (Blomfield), então já sabia que ia ser uma adversária difícil de vencer e não consegui ficar tranquila por nenhum momento lá fora. Depois que consegui minha primeira nota boa, foi difícil achar outra onda para somar, então fiquei muito nervosa o tempo todo, até vir aquela onda no fim que acabou me garantindo a vitória”.

Justine Mauvin (Foto: Hain - WSL)

Justine Mauvin (Foto: Hain – WSL)

Sua adversária nas semifinais é Justine Mauvin, surfista da Ilha Reunião que barrou a defensora do título mundial, Rachael Tilly, dos Estados Unidos, por 13,56 a 12,56 pontos. Chloé já a derrotou na quinta-feira, na rodada classificatória para as quartas de final, mas sabe que não será fácil enfrenta-la novamente. Principalmente depois da motivação extra de Justine Mauvin por ter derrotado a atual campeã da World Surf League.

“Nem consigo acreditar nisso e estou muito feliz”, vibrou Justine Mauvin. “Eu senti que leva um tempo para entrar em um bom ritmo com essa onda, mas tenho vindo para cá por alguns anos e agora consigo me sentir mais confortável lá fora. O apoio que venho recebendo na praia parece tão irreal que nem posso acreditar que consegui passar para as semifinais”.

Mesmo assim, a brasileira Chloé Calmon é a favorita no duelo, pois já mostrou estar em grande forma esse ano. A carioca já venceu duas etapas do Longboard Qualifying Series (LQS) na temporada 2016, o Women´s Cancer Institute NSW Pro em Kingscliff, na Austrália, e o Longboard Pro Gaia na Praia de Gaia, em Portugal. Outras duas surfistas igualaram o feito de Chloé Calmon no LQS.

Uma delas a própria Honolua Blomfield eliminada pela brasileira na sexta-feira na China, que venceu em casa uma etapa em Kuhio Beach, em Waikiki, no Havaí, e a da Ilha Taiwan em Jinzun Harbor. A outra com duas vitórias no LQS é Alice Lemoigne em duas provas da perna europeia, na França e na Inglaterrra. Alice despachou a bicampeã mundial Kelia Moniz, do Havaí, por 15,67 a 12,83 na bateria que acabou fechando a sexta-feira na Ilha Hainan.

Alice Lemoigne (Foto: Hain - WSL)

Alice Lemoigne (Foto: Hain – WSL)

“A Kelia (Moniz) é uma surfista incrível e com um estilo muito elegante”, disse Alice Lemoigne. “Ela é uma das melhores do mundo e nunca pensei que poderia vencê-la, então até eu estou realmente surpresa com o resultado. Na semana passada, eu tinha perdido meu passaporte e a viagem para cá se transformou num pesadelo. Mas, consegui resolver tudo a tempo e, uma semana depois, estou nas semifinais do Mundial, então é como se estivesse na Lua agora”.

Enquanto a primeira semifinal já está completa, com Chloé Calmon e Justine Mauvin disputando a primeira vaga para a decisão do título mundial de 2016 da World Surf League, Alice Lemoigne ainda tem que aguardar a realização da última quarta de final para saber quem será sua adversária, a norte-americana Tory Gilkerson ou a australiana Nava Young.

O Jeep World Longboard Championship está sendo transmitido ao vivo da Ilha Hainan pelo www.worldsurfleague.com e a primeira chamada do sábado será as 7h30 na China, 21h30 da sexta-feira pelo fuso horário de Brasília.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL), antes denominada Association of Surfing Professionals (ASP), tem como objetivo celebrar o melhor surf do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Samsung Galaxy Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL já possui uma enorme legião de fãs apaixonados em todo o planeta que acompanha as performances dos melhores surfistas do mundo, como Gabriel Medina, John John Florence, Adriano de Souza, Kelly Slater, Stephanie Gilmore, Greg Long, Makua Rothman, Carissa Moore, entre outros, competindo no mais imprevisível e dinâmico campo de jogo entre todos os esportes no mundo, que é o mar.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com

———————————————————–

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

———————————————————–

SEMIFINAIS FEMININAS DO JEEP WORLD LONGBOARD CHAMPIONSHIP 2016:

1.a: Chloé Calmon (BRA) x Justine Mauvin (REU)

2.a: Alice Lemoigne (REU) x vencedora da 4.a Quarta de Final

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com 5.200 pontos e US$ 1.500 de prêmio:

1.a: Chloé Calmon (BRA) 17.66 x 14.67 Honolua Blomfield (HAV)

2.a: Justine Mauvin (REU) 13.56 x 12.56 Rachael Tilly (EUA)

3.a: Alice Lemoigne (REU) 15.67 x 12.83 Kelia Moniz (HAV)

———-bateria que ficou para abrir o sábado:

4.a: Tory Gilkerson (EUA) x Nava Young (AUS)

QUARTA FASE MASCULINA DO JEEP WORLD LONGBOARD CHAMPIONSHIP 2016:

———-1.o e 2.o=Quartas de Final e 3.o=9.o lugar com 4.000 pontos e US$ 1.500 de prêmio:

1.a: Rodrigo Sphaier (BRA), Cole Robbins (EUA), Steven Sawyer (AFR)

2.a: Piccolo Clemente (PER), Harley Ingleby (AUS), Matthew Moir (AFR)

3.a: Taylor Jensen (EUA), Phil Rajzman (BRA), Kai Sallas (HAV)

4.a: Ben Skinner (ING), Edouard Delpero (FRA), Nelson III Ahina (HAV)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*

20 − 4 =