Brasileiros estreiam com vitórias no Oi Rio Pro

 

 

 

By João Carvalho

A segunda-feira amanheceu com altas ondas em Saquarema e a estreia dos homens no Oi Rio Pro 2018 foi transferida das esquerdas da Praia de Itaúna para as direitas da Barrinha. Dos quatorze participantes do Brasil nesta quarta etapa do World Surf League Championship Tour, seis venceram suas primeiras baterias e passaram direto para a terceira fase, o potiguar Italo Ferreira com sua lycra amarela do Jeep Leaderboard, o campeão mundial Gabriel Medina e Filipe Toledo, Willian Cardoso, Yago Dora e Miguel Pupo. Os outros terão que disputar a repescagem, que já foi iniciada na tarde da segunda-feira em Saquarema. Na terça-feira, os homens continuarão competindo na Barrinha, a partir das 7h00 da manhã.


Filipe Toledo (Foto: @WSL / Poullenot)

A bateria que apresentou as direitas da Barrrinha para o mundo, foi iniciada as 7h05 e terminou com vitória brasileira de Filipe Toledo. Ele enfrentou o mesmo adversário que o derrotou em uma disputa polêmica no ano passado, que resultou até numa punição ao brasileiro. Mas, quem largou na frente foi o pernambucano Ian Gouveia, que surfou o primeiro tubo na Barrinha. Só que Filipe depois conseguiu achar boas ondas para mostrar o seu surfe e a batalha ficou entre ele e Kanoa Igarashi. Desta vez, Filipe manteve a calma para vencer o japonês por uma pequena vantagem de 13,70 a 13,07 pontos.

“Foi muito bom terem mudado o evento pra cá. Eu tenho surfado aqui todos os dias e todos os dias têm dado altas ondas, então foi até bom ter treinado aqui, testando as pranchas, pois deu tudo certo na bateria”, disse Filipe Toledo, após vencer a primeira bateria do Oi Rio Pro disputada nas ondas da Barrinha. “Estou amarradão por ter surfado bem, ter vencido, ter feito uma nota excelente (8,60), ainda mais que foi contra o Kanoa (Igarashi), que a gente teve aquele incidente na bateria do ano passado (quando Filipe foi eliminado). É uma sensação boa, de dever cumprido, então agora é pensar no próximo rounde”.


Miguel Pupo (Foto: @WSL / Poullenot)

No segundo confronto do dia, dois brasileiros enfrentaram um dos favoritos ao título do Oi Rio Pro e o paulista Miguel Pupo pegou as melhores ondas que entraram na bateria para superar o sul-africano Jordy Smith por 13,10 a 10,66 pontos. Em terceiro ficou o catarinense Tomas Hermes, mas os derrotados nesta rodada inicial não são eliminados e têm uma segunda chance de avançar para a terceira fase na repescagem. Pupo perdeu sua vaga na elite no ano passado, mas foi chamado para substituir o contundido Caio Ibelli em Saquarema.

“É ótimo estar de volta ao CT aqui no Rio. No ano passado, eu acabei saindo da elite, fiquei bem triste, mas acho que Deus tem um plano pra mim. Estou treinando melhor, comendo melhor, me dedicando mais e colhendo os frutos, pois estou em quinto no ranking do QS, o que me dá mais confiança para chegar aqui e estragar os planos dos tops (risos)”, disse Miguel Pupo. “Eu achei uma boa decisão ter mudado aqui pra Barrinha. A clássica esquerda de Itaúna não está quebrando hoje (segunda-feira) e as condições estão melhores aqui. O mar está liso, as ondas perfeitas e parabéns aos organizadores”.


Gabriel Medina (Foto: @WSL / Poullenot)

BATERIA BRASILEIRA – A terceira vitória verde-amarela já era garantida na bateria 100% brasileira da primeira fase no Oi Rio Pro. Quem largou na frente foi o catarinense Alejo Muniz, que lidera o ranking do WSL Qualifying Series e está competindo em Saquarema como convidado da World Surf League. O campeão mundial Gabriel Medina não começou bem, mas depois encaixou o seu surfe nas direitas da Barrinha para vencer por 14,17 pontos. O também paulista Jessé Mendes ficou em segundo com 13,43 e Alejo Muniz em terceiro com 12,86 numa das baterias mais disputadas do dia.

“Foi uma bateria difícil. Eu sabia que o Jessé (Mendes) e o Alejo (Muniz) iam surfar bem, pois são dois surfistas que sou fã e amigo, então meu plano foi só surfar meu melhor e estou feliz por ter vencido”, disse Gabriel Medina. “Eu espero que eles consigam surfar bem na segunda fase e continuem no evento. Essa é uma etapa que sempre chego perto do título, mas não venci ainda e seria irado ganhar essa etapa do Brasil. Hoje (segunda-feira) tinha altas ondas aqui na Barrinha e espero que continue assim nos próximos dias”.


Italo Ferreira (Foto: @WSL / Daniel Smorigo)

JEEP LEADERBOARD – Depois da bateria brasileira, estrearam os dois surfistas que estão competindo no Oi Rio Pro com a lycra amarela do Jeep Leaderboard. O australiano Julian Wilson entrou primeiro e confirmou o favoritismo contra o americano Patrick Gudauskas e o paulista Deivid Silva. O potiguar Italo Ferreira também venceu, mas a disputa foi bem mais acirrada e os três competidores ficaram na casa dos 10 pontos. O brasileiro ficou em primeiro com 10,64, contra 10,47 do australiano Connor O´Leary e 10,36 do havaiano Keanu Asing.

“Foi uma bateria difícil, as ondas balançando muito nas direitas, ficando difícil de se posicionar. Mas, consegui pegar algumas ondas pra me soltar e deu tudo certo no final da bateria”, disse Italo Ferreira. “Eu quero agradecer todo o apoio da torcida, me sinto bem aqui no Brasil, claro, então só quero levar essa energia dos brasileiros comigo nas baterias. No ano passado, eu não competi aqui porque estava machucado, só fiquei torcendo de casa, num quarto, com o pé para cima, mas agora estou aqui defendendo a liderança do ranking e espero manter o foco e o ritmo nas próximas baterias”.


Adriano de Souza (Foto: @WSL / Daniel Smorigo)

DEFENSOR DO TÍTULO – O potiguar Italo Ferreira conseguiu o objetivo de vencer a bateria, mas o defensor do título do Oi Rio Pro foi mandado para a repescagem no confronto seguinte. Foi outra disputa definida por décimos, com os três surfistas ficando na casa dos 11 pontos. Desta vez, o campeão mundial Adriano de Souza ficou em último com exatos 11 pontos, contra 11,47 do sul-africano Michael February e 11,60 do norte-americano Griffin Colapinto, que avançou direto para a terceira fase.

Mas, o Brasil ainda conquistou mais duas vitórias na primeira fase, com dois catarinenses que estão estreando na divisão de elite da World Surf League esse ano. O mais jovem, Yago Dora, totalizou 12,13 pontos para superar o taitiano Michel Bourez e o norte-americano Conner Coffin na nona bateria. Na 11.a, Willian Cardoso só precisou de 11,16 para derrotar o australiano Matt Wilkinson e o francês Jeremy Flores. Os dois completaram as seis classificações diretas do Brasil para a terceira fase na segunda-feira histórica na Barrinha.


Alejo Muniz (Foto: @WSL / Poullenot)

PRIMEIRAS VITÓRIAS – Após o término da primeira fase, foi iniciada a repescagem com o bicampeão mundial John John Florence se recuperando da derrota pela manhã. Ele tinha tirado a maior nota da primeira fase – 9,17 – no melhor tubo surfado na Barrinha, mas a bateria foi vencida pelo australiano Mikey Wright. O havaiano aproveitou a segunda chance de classificação contra o paulista Deivid Silva, no primeiro duelo eliminatório do Oi Rio Pro 2018.

No segundo, o catarinense Alejo Muniz despachou um dos concorrentes diretos do potiguar Italo Ferreira na briga pela lycra amarela do Jeep Leaderboard, o australiano Owen Wright, que chegou no Brasil dividindo o quarto lugar com o taitiano Michel Bourez. Depois aconteceu mais um confronto brasileiro e Ian Gouveia fez o maior placar do Oi Rio Pro 2018 para vencer sua primeira bateria no CT esse ano. Foi logo contra o defensor do título desta etapa, Adriano de Souza, que o pernambucano totalizou 15,53 pontos com a nota 8,93 da sua melhor onda.


Ian Gouveia (Foto: @WSL / Poullenot)

“Eu estou aqui numa mistura de emoções”, disse Ian Gouveia. “Hoje de manhã, quando soube que ia rolar aqui na Barrinha, fiquei um pouco chateado porque a gente só competiu em direitas esse ano. Em Itaúna tem as esquerdas, mas chamaram o campeonato aqui e na minha primeira bateria, eu estava meio triste por isso. Mas, não tinha jeito, ia ser aqui, então entrei com muita vontade pra vencer essa bateria. Eu perdi pro Adriano (de Souza) no ano passado, então foi muito bom ganhar do campeão, mas continuo querendo muito surfar as esquerdas”.

O Oi Rio Pro está sendo transmitido ao vivo de Saquarema pelo www.worldsurfleague.com para o mundo todo também pelo Facebook Live e pelo aplicativo da World Surf League. A primeira chamada da terça-feira será as 6h45 novamente na Barrinha só para os homens.

O World Surf League Championship Tour tem patrocínio global da Corona, Jeep, Airbnb e Hurley e a Oi como patrocinador “naming rights” da etapa brasileira, que é realizada com o importante apoio do Governo do Estado do Rio de Janeiro, viabilizado pela Secretaria Estadual de Esporte, Lazer e Juventude (SEELJE), e da Prefeitura Municipal de Saquarema. O Oi Rio Pro 2018 também conta com apoio institucional da Confederação Brasileira de Surf (CBSurf), Federação de Surf do Estado do Rio de Janeiro (FESERJ) e Associação de Surf de Saquarema (ASS).

A OI E O ESPORTE – A companhia patrocina grandes eventos esportivos, equipes e atletas de diferentes modalidades como surfe, skate e eventos de cultura urbana. Além de patrocinar pelo quarto ano consecutivo o Oi Rio Pro, a Oi patrocina os surfistas brasileiros de destaque na WSL: Gabriel Medina, Ítalo Ferreira, Filipe Toledo, Silvana Lima e Adriano de Souza, o Mineirinho, além do surfista Davizinho, de 12 anos, atual vice-campeão mundial de surfe adaptado. Recentemente, como parte do legado do patrocínio aos Jogos Cariocas de Verão de 2016 e 2017, a Oi construiu pistas de skate em Manguinhos e São João da Barra e reformou o park de Campo Grande – aproveitando assim o grande potencial do esporte urbano para aproximar culturas e realidades, promovendo encontros e transformando espaços públicos.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL) tem como objetivo celebrar o melhor surfe do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, realizando mais de 180 eventos globais que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL tem uma enorme legião de fãs apaixonados pelo surf em todo o mundo, que acompanham ao vivo as apresentações de grandes estrelas, como Tyler Wright, John John Florence, Paige Alms, Kai Lenny, Taylor Jensesn, Honolua Blomfield, Mick Fanning, Stephanie Gilmore, Kelly Slater, Carissa Moore, Gabriel Medina, Courtney Conlogue, entre outros, competindo no campo de jogo mais imprevisível e dinâmico entre todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com.

——————————————————————

João Carvalho – Assessoria de Imprensa do Oi Pro Rio

(48) 999-882-986 – jcarvalho@worldsurfleague.com

Assessoria de Imprensa da Oi – Adriana Castelo Branco:

(21) 988-999-146 – adriana.castelobranco@oi.net.br

——————————————————————

PRIMEIRA FASE DO OI RIO PRO – Vitória=Terceira Fase / 2.o e 3.o=Segunda Fase:

1.a: 1-Filipe Toledo (BRA)=13.70, 2-Kanoa Igarashi (JPN)=13.07, 3-Ian Gouveia (BRA)=9.73

2.a: 1-Miguel Pupo (BRA)=13.10, 2-Jordy Smith (AFR)=10.66, 3-Tomas Hermes (BRA)=8.23

3.a: 1-Wade Carmichael (AUS)=12.60, 2-Owen Wright (AUS)=11.26, 3-Wiggolly Dantas (BRA)=11.17

4.a: 1-Mikey Wright (AUS)=14.83, 2-John John Florence (HAV)=13.93, 3-Joan Duru (FRA)=10.93

5.a: 1-Gabriel Medina (BRA)=14.17, 2-Jessé Mendes (BRA)=13.43, 3-Alejo Muniz (BRA)=12.86

6.a: 1-Julian Wilson (AUS)=12.93, 2-Deivid Silva (BRA)=10.30, 3-Patrick Gudauskas (EUA)=8.83

7.a: 1-Italo Ferreira (BRA)=10.64, 2-Connor O´Leary (AUS)=10.47, 3-Keanu Asing (HAV)=10.36

8.a: 1-Griffin Colapinto (EUA)=11.60, 2-Michael February (AFR)=11.47, 3-Adriano de Souza (BRA)=11.00

9.a: 1-Yago Dora (BRA)=12.13, 2-Michel Bourez (TAH)=10.67, 3-Conner Coffin (EUA)=2.87

10: 1-Ezekiel Lau (HAV)=13.60, 2-Adrian Buchan (AUS)=12.30, 3-Sebastian Zietz (HAV)=6.57

11: 1-Willian Cardoso (BRA)=11.16, 2-Matt Wilkinson (AUS)=9.60, 3-Jeremy Flores (FRA)=9.30

12: 1-Kolohe Andino (EUA)=13.40, 2-Frederico Morais (PRT)=11.76, 3-Michael Rodrigues (BRA)=7.00

SEGUNDA FASE – Vitória=Terceira Fase e Derrota=25.o lugar com 420 pontos e US$ 10.000:

1.a: John John Florence (HAV) 12.24 x 10.94 Deivid Silva (BRA)

2.a: Alejo Muniz (BRA) 10.57 x 10.40 Owen Wright (AUS)

3.a: Jordy Smith (AFR) 12.70 x 9.94 Wiggolly Dantas (BRA)

4.a: Ian Gouveia (BRA) 15.53 x 11.83 Adriano de Souza (BRA)

5.a: Keanu Asing (HAV) 9.77 x 9.66 Michel Bourez (TAH)

6.a: Adrian Buchan (AUS) 12.63 x 3.96 Michael February (AFR)

———-ficaram para abrir a terça-feira:

7.a: Matt Wilkinson (AUS) x Michael Rodrigues (BRA)

8.a: Frederico Morais (PRT) x Patrick Gudauskas (EUA)

9.a: Jeremy Flores (FRA) x Jessé Mendes (BRA)

10: Sebastian Zietz (HAV) x Joan Duru (FRA)

11: Conner Coffin (EUA) x Tomas Hermes (BRA)

12: Connor O´Leary (AUS) x Kanoa Igarashi (JPN)

TERCEIRA FASE FEMININA – 1.a e 2.a=Quartas de Final / 3.a=9.o lugar com 3.085 pontos e US$ 11.500:

1.a: Tyler Wright (AUS), Sally Fitzgibbons (AUS), Keely Andrew (AUS)

2.a: Stephanie Gilmore (AUS), Nikki Van Dijk (AUS), Caroline Marks (EUA)

3.a: Lakey Peterson (EUA), Johanne Defay (FRA), Silvana Lima (BRA)

4.a: Carissa Moore (HAV), Tatiana Weston-Webb (BRA), Sage Erickson (EUA)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*

quatro × quatro =