Tremor de 3,6 pontos atinge costa de Floripa

Um tremor de 3,6 pontos na escala Richter foi registrado às 9h28min46s desta sexta-feira, 13, na margem continental de Santa Catarina. O fenômeno, confirmado pelo Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP), aconteceu a 100 quilômetros da Ilha de Santa Catarina, em Florianópolis. Moradores das regiões Norte e Sul da Ilha e até de São João Batista, na Grande Florianópolis, sentiram os efeitos da propagação das ondas sísmicas pelo mar até a terra.

O técnico em sismologia do Centro de Sismologia da USP, José Roberto Barbosa, explica que o terremoto aconteceu na margem continental, ou seja, no oceano. O especialista garante que a magnitude é “importante” e está dentro da média de outros tremores registrados com frequência ao longo da costa brasileira. Se tivesse acontecido em terra, no entanto, os efeitos poderiam ter sido maiores, mas não a ponto de causar destruição.

 

SAIBA MAIS

24283667
Fonte: Diário Catarinense

NOTA OFICIAL

A secretaria de Estado da Defesa Civil (SDC) esclarece à população Catarinense, em especial aos munícipes residentes na Grande Florianópolis e adjacências, quanto aos tremores sentidos nesta manhã de sexta feira, dia 13 de abril de 2018.
	De acordo com as instituições que desenvolvem pesquisas e monitoramento acerca das ocorrências de sismos no Brasil, destacamos: 
Centro de Sismologia da Universidade de Brasília (UNB) e Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP), informamos: - O sismo registrado ocorreu por volta das 9 horas e 28 minutos (horário de Brasília), com magnitude da ordem de 3,6 graus na escala Richter (variação entre 0 à 10) e epicentro na margem continental, com distância aproximada de 35 km da costa de Santa Catarina;
- Conforme classificação oficial utilizada (escala Richter), o referido sismo caracteriza-se por ser de baixa magnitude, o que não oferece riscos secundários como da ocorrência de tsunamis.
- A provável causa de sua ocorrência se deve à uma possível acomodação da placa tectônica Sul Americana, a qual encontra-se localizada entre outras placas tectônicas, com destaque para as placas tectônicas de Nazca e Africana, no contato oeste e leste, respectivamente. 
Informamos ainda que: de acordo com o United States Geological Survey (USGS), instituição científica norte americana, a qual emitiu dados registrados sobre o sismo sentido nessa manhã em território catarinense, a referida instituição atribui como epicentro, o município de Santo Amaro da Imperatriz, região continental, e magnitude de 3,2 na escala Richter. Diante das divergências de informações entre as instituições brasileiras e norte americana, a Secretaria de Estado da Defesa Civil apura maiores detalhes sobre o ocorrido, afim de oferecer à comunidade científica e civil uma informação precisa e clara. 
Ressaltamos que eventos dessa natureza são atípicos para a região sul do território brasileiro, quando, sendo o registro atual (13/04/2018) o de maior magnitude nos últimos dois anos.

É  importante ressaltar que não existe nenhum risco associando ao tremor.

#DefesaCivil #tremordeterra
  • Defesa Civil SC – NOTA OFICIAL

    A secretaria de Estado da Defesa Civil (SDC) esclarece à população Catarinense, em especial aos munícipes residentes na Grande Florianópolis e adjacências, quanto aos tremores sentidos nesta manhã de sexta feira, dia 13 de abril de 2018.
    De acordo com as instituições que desenvolvem pesquisas e monitoramento acerca das ocorrências de sismos no Brasil, destacamos:
    Centro de Sismologia da Universidade de Brasília (UNB) e Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP), informamos: – O sismo registrado ocorreu por volta das 9 horas e 28 minutos (horário de Brasília), com magnitude da ordem de 3,6 graus na escala Richter (variação entre 0 à 10) e epicentro na margem continental, com distância aproximada de 35 km da costa de Santa Catarina;
    – Conforme classificação oficial utilizada (escala Richter), o referido sismo caracteriza-se por ser de baixa magnitude, o que não oferece riscos secundários como da ocorrência de tsunamis.
    – A provável causa de sua ocorrência se deve à uma possível acomodação da placa tectônica Sul Americana, a qual encontra-se localizada entre outras placas tectônicas, com destaque para as placas tectônicas de Nazca e Africana, no contato oeste e leste, respectivamente.
    Informamos ainda que: de acordo com o United States Geological Survey (USGS), instituição científica norte americana, a qual emitiu dados registrados sobre o sismo sentido nessa manhã em território catarinense, a referida instituição atribui como epicentro, o município de Santo Amaro da Imperatriz, região continental, e magnitude de 3,2 na escala Richter. Diante das divergências de informações entre as instituições brasileiras e norte americana, a Secretaria de Estado da Defesa Civil apura maiores detalhes sobre o ocorrido, afim de oferecer à comunidade científica e civil uma informação precisa e clara.
    Ressaltamos que eventos dessa natureza são atípicos para a região sul do território brasileiro, quando, sendo o registro atual (13/04/2018) o de maior magnitude nos últimos dois anos.

    É importante ressaltar que não existe nenhum risco associando ao tremor.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*

2 × cinco =