Caio Ibelli agradece apoio

caio_ibelli-wsl caio_ibelli-wsl2

 

 

 

Envolvido diretamente na polêmica bateria com Gabriel Medina durante a etapa de Portugal e após o posicionamento oficial da World Surf League (WSL), mantendo o resultado, o surfista brasileiro Caio Ibelli veio a público para agradecer o apoio recebido. O surfista de Guarujá, que este ano compete como alternate por ter ficado fora do Tour em 2018, devido fratura no pé direito que o tirou de quase todas as etapas, falou com educação sobre o ocorrido.

Para ele, a agressividade não combina com nenhum tipo de esporte, sobretudo com o surf. “Eu e minha família ficamos sem dormir e foram tristes os ataques que recebemos durante esse tempo, muitas vezes por pessoas que não surfam ou são fãs do esporte. Recebemos todos os tipos de mensagens. Foi muito triste ver minha mãe daquela maneira, lendo os comentários sobre o filho. Graças a Deus, está tudo mudando e as mensagens boas estão vindo”, comentou.

 

WSL POSTA VÍDEO JUSTIFICANDO DECISÃO

 

APÓS ELIMINAÇÃO POLÊMICA, MEDINA DESABAFA

FILIPE TOLEDO ADIA DECISÃO PARA O HAVAÍ

 

Ele também ressaltou que em momento algum quis causar uma interferência ou tentar prejudicar o adversário. “Só segui o que o juiz e a placa me mostravam e naquele momento estava tentando reverter uma situação com o meu surf”, explicou.

Ibelli agradeceu todo o apoio (recebido também dos brasileiros que competem no Tour). “Hoje acordei de manhã e, graças a Deus, meu inbox estava muito diferente de quando fui dormir. Estava transbordando de mensagens boas”, falou o atleta. “Eu só sou um surfista profissional fazendo o que mais amo na vida e estarei na terceira bateria das quartas-de-final tentando o meu melhor para ir longe nesse evento. Obrigado a todos pelo carinho”, falou.

Campeão mundial pro júnior em 2011, pela WSL, Caio ingressou na elite mundial em 2016, ano que garantiu o título de “Rookie of the Year”, o novato do Circuito. No ano passado, sofreu a fratura um dia antes do início da segunda etapa, em Margaret River, na Austrália. Sua primeira onda foi em 10 de setembro, no Surf Ranch, Estados Unidos, no dia da final da etapa do CT. Vale destacar que no mesmo período Caio perdeu seu patrocinador principal, depois de 15 anos de parceria.

Acompanhe Caio Ibelli pelo instagram @caioibelli.

 

View this post on Instagram

Gostaria de explicar oque aconteceu na minha bateria. Eu e Caio pegamos a mesma onda e cada um foi pra um lado. A minha onda foi mais curta e a dele foi mais longa. Tanto que enquanto eu voltava pro outside, ele ainda estava surfando a onda dele. Quando cheguei no fundo, tinha tanta certeza que a prioridade era minha que não olhei pra a placa de prioridade. Pra minha surpresa, quando veio a onda seguinte, acabei indo porque estava seguro que a prioridade era minha. Acabei levando a interferência. Quando saí da água fui falar com os juizes. Olhamos as imagens abertas, de nós dois voltando remando para o fundo, com um angulo da câmera aberto. Ficou bem claro que eu cheguei bem antes. E mesmo que eu tivesse chegado junto com ele e tivesse um empate, a prioridade seria minha pela regra. Porque na onda que surfamos juntos antes, o Caio tinha a prioridade 1. Tenho a esperança que a minha bateria seja reavaliada pois ocorreu um erro. ll I am still very hopeful that my heat will be reviewed.

A post shared by G. Medina (@gabrielmedina) on

Acompanhe a mensagem de Caio Ibelli na íntegra

 

Fala Pessoal,

Primeiramente, muito obrigado pelas mensagens de apoio! Hoje acordei de manhã e, graças a Deus, meu inbox estava muito diferente de quando fui dormir. Estava transbordando de mensagens boas.
O que aconteceu na nossa bateria não foi legal nem pra mim que passei. Saí da bateria totalmente quieto, semblante fechado, respeitando o Medina, o time dele e a situação.

Eu e minha família ficamos sem dormir e foram tristes os ataques que recebemos durante esse tempo, muitas vezes por pessoas que não surfam ou são fãs do esporte. Recebemos todos tipos de mensagens. Foi muito triste ver minha mãe daquela maneira lendo os comentários sobre o filho.

Graças a Deus, está tudo mudando e as mensagens boas estão vindo.

Em momento algum quis causar interferência ou tentar prejudicar o meu adversário. Só segui o que o juiz e a placa me mostravam e naquele momento estava tentando reverter a situação com o meu surf.

A WSL postou a versão oficial do porquê a decisão foi mantida e está lá para quem quiser ver ou tem dúvidas. Eu só sou um surfista profissional fazendo o que mais amo na vida e estarei na terceira bateria das quartas-de-finais tentando o meu melhor para ir longe nesse evento. Obrigado a todos pelo carinho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*

3 × 3 =