Uma Pantomima, uma patuscada

Foto Divulgação

Foto Divulgação

 

 

Há os que pensam que os grupos de wathsapp vieram pra aumentar o crowd nas
praias. Ledo engano.

O surfe é constituído também pelo espaço onde nossas individualidades se
tornam coletivas e são exaltadas. É a manifestação mais sincera de nossos
sentidos, o condutor do balizamento coletivo. Aquilo que pode nos moldar e
fazer agir em sociedade.

A comunicação é uma peça importante desse mecanismo. A partir do momento
que a rapidez da palavra se torna uma constante todos devem imiscuir-se de
tal feito.

Nessa seara temos o advento dos smartphones e seus aplicativos de
comunicação instantânea, onde cada tribo se reúne para partilhar
experiências. No surfe, além de combinar aquela barca, há também aquele
check in feito pelo cara que chegou mais cedo no pico. Pura e simples
comunicação.

A maneira que a informação será utilizada já é parte de um processo muito
mais amplo, e não deve ser considerado fator concomitante com a real
expressão de hoje em dia estarmos com nossos outsides cheios de surfistas.

Essa retórica envelhecida e pragmática é ainda resquício de uma cultura
que não deve ser preservada. A informação não deve ser guardada e sim
compartilhada. Reis, religiões, grupos políticos tomaram de assalto o
poder e deixaram a maioria da população à míngua dominando a informação. A
história nos mostra como isso afeta as relações e a evolução da sociedade.

O surfe cresceu. Se tornou uma indústria potente com uma pujante inserção
na mídia e de amplo alcance. Mais do que isso, se ratificou um estilo de
vida. Hoje ao olharmos para os lados vemos diversos representantes de
segmentos da sociedade, com seus pensamentos discernentes e sua visão
complexa do mundo.

O que falta nesse caminho, para aperfeiçoar as relações intra oceânicas é
a colocação de parâmetros para melhorar a convivência de todos em
harmonia.

Os sites com previsão de onda estão aí para ajudar o surfista. Os boletins
de onda estão aí para melhorar sua condição. Não é o grupo de wathsapp que
enche o line up havaiano ou a gold coast. Além do mais, não vai ser um
cara do seu lado que vai tirar a onda mais importante da sua vida.

Portanto, antes de querer o mar só pra si pense que a sociedade necessita
ainda mais de pessoas coletivas. O que será que nossos políticos pensam ao
tomar o poder, ou quando estão sentados em suas cadeiras com a caneta na
mão. O que exigimos deles? Transparência. E de você?

Vivemos em uma época onda não há mais exclusividade, onde o surfe deixou
de ser um esporte marginal e excludente para tornar-se um fenômeno de
abrangência. Aceite esta condição e aproveite os benefícios que isto gera,
os equipamentos cada vez melhores e com mais opções, a estrutura mais
organizada e as possibilidades mais amplas de conhecimento.

Da mesma maneira que você se esconde ou que ainda trava uma batalha pelo
telefone nos grupos, este texto foi escrito. Um desabafo de quem tem como
cerne de sua estada nesse mundo a melhoria do sentimento de coletividade.
Para quem ainda acredita que podemos e devemos evoluir em sintonia, em
união.

E se esse texto pelo menos não fez você refletir um pouco, e se continuar
acreditando em discussões rasas, lhes digo que a verdade não pertence à
autoridade, mas sim ao tempo.

 

Moacir Kienast

Este texto veio pelo telefone, sem edição. Já que estamos falando de
wathsapp, sua concepção se deu da mesma forma. Fiquem a vontade para
comentar e expressar sua opinião sobre o assunto.

 

 

Veja mais textos da coluna Linhas Salgadas

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*

14 − dez =