#1 Interview

Salve habitantes da “Terra do Nunca”, este é o primeiro “ Interview” espaço onde conheceremos um pouco mais dos trabalhos/hobbies  daqueles que movimentam os quatro cantos desta terra mágica. Neste, estaremos conhecendo um pouco mais os trampos  da Shot  Spot Brasil por meio do fotógrafo Guto Penteado; surf é movimento, e disso não temos dúvidas!Mas assim como aconteceu comigo (e provavelmente  com você) conheci o surf por meio de fotografias; lembro como se fosse hoje, numa daquelas aulas de recorte em revistas a professora apareceu com uma revista Trip em meio a outras…… coloquei na mochila e fui recorta la em casa para decorar meu quarto com aquelas fotos iradas de surf, a prática do esporte veio posteriormente. Guto é um desses caras responsáveis por congelar movimentos e nos fazer movimentar a mente de imediato e na sequência o corpo na direção do pico, manobra etc…. esses caras alimentam nossas viagens mentais por meio  de suas fotos.

c8d43fdf-e85c-4d8b-b428-ed57a4bda455 c4a9e690-c5b5-4ae4-8ef8-114542cc9237

617869d0-68f8-49ef-b364-676026ba0588 ab733a4d-282d-4a89-9288-6e9aa1b75b32 b1fdcac6-39da-41c3-91ce-f66b36508e08 b7a8c16e-666d-4fbc-bdd7-ccaaac0024d2 b7457c0c-8ff0-4b75-93e1-73df5b5f37c8 b5773153-11d5-448d-8b7d-6f2b79380df3 c3bd8681-7b08-4c80-849a-3512b1963acac902899f-f4b2-4daa-8ebf-20e837650175 cf03c930-d822-40d8-85a8-1da3f357e702 d1ef422d-1301-4707-970c-a87214adffed e322d158-10aa-4698-af15-412801403f96 e620a44f-3c86-4585-90a2-6f967954329b e7589de0-9763-4deb-a074-7182528a22a4 fbf26cfd-a2a9-4e43-ba88-339752d9ec72

849ed59f-097f-475e-a7c9-b26997defdbf 421e3f82-1622-4cf5-8096-458287386b1b 9dc50396-3c5e-4b7b-a1a2-d33ffa4de2c0 5f6d4b76-1df3-4b96-b105-a7e37dfd48ef 0f443291-8fbd-46c9-bda8-f1576bfbde2c 0beb3a24-4bae-4d8d-ad67-0d6c10914cc6

 

 

ENTREVISTA / Guto Penteado

 

D.T.N. Nos conte um pouco sobre você.

Guto Penteado – Tenho 29 anos! Nasci em Curitiba e com 22 anos, depois de concluir estudos e práticas formais para tentar administrar empresas, vim morar em Florianópolis.

A mais remota lembrança da minha infância é sempre subindo em árvores, monumentos, telhados… Então já comecei com a “escalada”! Depois veio o atletismo nas brincadeiras de pega-pega e 100 metros rasos na corrida depois de tocar a campainha do desconhecido. O futebol chegou logo depois com muita força e tomou conta até a adolescência. Quando eu tinha uns 12 anos meu irmão comprou um skate e em poucos meses aquele skate passou a ser meu. Depois disso passei a jogar menos bola e achei que aquele estilo do skate poderia ser legal pra eu desenvolver parcerias sem aquela competição e rivalidade do futebol. Comecei a curtir as manobras, principalmente os slides que me faziam sentir-se surfando uma onda!

D.T.N.-Como iniciou na fotografia?

Guto – Com os 13 anos, fotografando skate com os amigos com a “máquina fotográfica” que pegava escondido da minha ou da mãe dos amigos. (risos) Mas isso foi só uma fase, era muito novo e não houve resultados muito relevantes! (mais risos) Mas acredito que ali surgiram os primeiro estímulos.

O tempo passou e, um pouquinho mais adulto no ano de 2008, conheci um cara chamado Douglas Cominski! Eu mal sabia ficar em pé na prancha e esse cara tirou uma foto minha surfando numa onda muito perfeita, na Guarda do Embaú. Aquilo foi chocante!

Douglas, que estava de passagem pelo Brasil, morava na Austrália e lá ele havia desenvolvido um trabalho com fotografia, A Shot Spot Austrália.

Em 2010, Cominski voltou a morar no Brasil. Dois anos haviam se passado e nós mantivemos não só o contato como a vontade de seguir com as atividades da Shot Spot (Fotografar surfistas em ação e comercializar as fotos via web) no Brasil. Assim, em 2011 demos início às atividades da Shot Spot Brasil.

D.T.N –  Relate um pouco da conexão fotografia,surf.

Guto – O feeling pelo surf é muito individual. Acredito que poder praticar a atividade em que me disponho a captar as imagens ajuda a aproximar os interesses do surfista e fotógrafo.

Gosto da evolução que enxergou em mim dentro da atividade pois observando os outros surfando consigo detectar melhorias na minha prática .

Surf e natureza são “sinônimos” e o bem estar promovidos na ação do conjunto talvez seja o principal elemento desta conexão!

D.T.N – Fale um pouco sobre o  Shot Spot, onde nasceu e qual a filosofia?

Guto É comum as grandes empresas promoverem suas filosofias de trabalho usando alguns argumentos de responsabilidades sociais e ambientais, cada uma de uma forma diferente. Algumas com eventos sociais com doação de alimentos e projetos de inclusão. Outras com o plantio de árvores e cuidados com o gramado da praça pública. Sempre me perguntei: qual mensagem poderíamos passar? Então …com a fotografia, acreditamos mostrar o que é belo, perfeito, equilibrado e harmonioso antes da intervenção humana. Se fosse para nomear uma “filosofia”, acho que seria a filosofia do Cuidar e Preservar! Tipo assim… “Achou linda essa onda quebrando tubular? Achou lindo este pôr-do-Sol? Achou linda aquela mamãe baleia amamente seu filhote? Então cuide e preserve!

Promovemos este sentimento através das imagens .

D.T.N.  –  Fale um pouco sobre os principais trabalhos, reconhecimento na mídia,galerias e exposições,alguma premiação?

Guto – Dentro da fotografia, o meu início nas atividades de mídia veio junto com o início do projeto da Shot Spot Brasil. Então desde o começo, todo o material de mídia produzido era destinado exclusivamente para a Shot Spot. Considero, assim, que o reconhecimento e premiação vieram em forma do crescimento do alcance que estamos atingindo, a credibilidade que toda a equipe tem com seus parceiros. Até mesmo o convite para esta entrevista vem como forma de prêmio para mim e todos que colaboram para a evolução do projeto.

Aliás, “Terra do Nunca”virou para mim um estilo de vida e com certeza esta nossa “conversa” é um indicativo de reconhecimento para mim e a confirmação de que a “Terra do Nunca” é aqui. Basta acreditar!

D.T.N. – Quais atletas (midiáticos ) já foram capturados por suas lentes?Qual a vibe de congelar imagens de grandes ídolos ?

Guto – Logo no primeiro ano de atividade recebi o convite para acompanhar uma barca do Adriano de Souza pelo litoral de SC! Ele já estava entre os melhores do mundo, estouradíssimo na mídia e representando muito bem o Brasil. Na mesma barca estava o seu treinador na época, Peterson Rosa epra completar, Ricardinho dos Santos!

Reuniu, ali, um monstro do surf brasileiro, um cara que eu via surfando ao vivo desde criança no litoral do Paraná (Matinhos) e esteve entre os melhores do mundo por quase duas décadas. Reuniu Mineiro, que hoje é campeão mundial de surf e reuniu também um cara que não está mais entre nós, aqui na Terra, e era muito quebrador das ondas e um grande sangue-bom! Então, por uma soma de fatores pessoais e a carga que estas três figuras trouxeram para a modalidade, esta session foi a mais especial.

 

D.T.N. – Conte um pouco, sobre como e quando começou fazer imagens de skate?E a sua relação com os boards?

Guto – Desde a infância eu ando de skate, me divirto com o skate! Depois que decidi morar em Florianópolis este contato ficou ainda mais intenso. Sem saber, escolhi um bairro onde circula uma turma que praticamente desenvolveu toda a estrutura de fabricação de bowl’s e até a própria indústria de peças e acessórios no Brasil. Como o pessoal fala por aqui: “Não tem como não andar de skate”. Quando percebi já estava produzindo material sem sair do bairro onde moro. Todo este contato intensificou minha relação com o carrinho e minha prática evoluindo cada vez mais dentro do meu nível técnico e do meu estilo.

Minha relação com os boards vem ditando as minhas relações interpessoais e ciclo social! Isto tem sido legal pra caramba! O contato com outros fotógrafos, o aprendizado e novas parcerias vem acontecendo quando eu simplesmente estou andando de skate!

D.T.N – Como você analisa o futuro da fotografia? Diante da fotografia digital e a web facilitando a propagação de imagens sem precedentes, qual sua opnião sobre revistas impressas e a possibilidade de revistas virtuais?

Guto – Estamos no futuro da fotografia!Acho que sempre haverão evoluções de tecnologia mas acredito que a velocidade da informação está tão acelerada que para ser mais rápido só se a foto existir antes do momento a ser captado acontecer! (risos)

A minha opinião vem junto com as estatísticas e a análise do meu dia-a-dia e elas mostram que o papel, a impressão, o volume físico e o processo logístico do volume estão extinguindo-se e o que cresce é a mídia digital e suas ramificações.

D.T.N.  – Deixe um recado ou reflexão, para os leitores dos Diários da Terra do Nunca?

GutoMuito irado compartilhar um pouco da história e saber que temos um elo muito grande no unindo! E já que somos unidos pelo elo da natureza, do mar, da adrenalina… Sigamos desfrutando de tudo isso com consciência e com amornas pequenas coisas!

7 comentários

  1. Sidnei Bruski

    Muito boa a matéria Nando, parabéns! Identifiquei varias fotos la de floripa, quintal de casa!! Engraçado o cara mora na mesma rua e não o conhecia, tão próximo porém tão distante, kkk. Aliás muito boas as fotos, excelente profissional!!

    • Fernando

      Maneiro Sid, o Gato é da nova geração. Você é desbravador desta região né. Obrigado por prestigiar a matéria. Abraços

  2. Jorge

    Guto é um cara que representa o espírito do surf com quem ja surfei altas e com certeza engrandece os momentos especialmente os da fotografia !
    Abs

  3. Jackson Leandro de Oliveira

    Da hora a matéria, muito boa a entrevista. Dá uma instiga de tirar umas fotos do brothers de dentro da água, o problema é largar a prancha pra isso, rsrsrsrs.
    Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*

20 − 15 =